José Travaços Santos

Baú da Memória

A violência em Portugal

Este mês o “Baú da Memória” não trata dos habituais temas, porque há necessidade de ventilar alguns assuntos que são cada vez mais assuntos do dia e cada vez mais sujeitos a interpretações meramente político-partidárias que, conforme está na sua natureza, são redutoras.

Está agora na moda acusar o Povo Português de racista, mas isso corresponderá à verdade?

Eu não creio que corresponda. Que há um crescente da violência entre nós, há sem sombra de dúvida, mas essa violência tem por alvo gente de qualquer cor e é manifestada por gente também das mais variadas cores. Maridos que agridem barbaramente as mulheres, filhos que maltratam os pais, professores que são alvo de agressões, velhos que são abandonados e rebaixados, pessoas normalmente diminuídas pela fraqueza física ou pela idade. Já senti na pele o desprezo que uma sociedade, cada vez com menos valores, tem pelos idosos.

Agora, haverá racismo?

Há anos pessoa muito chegada da minha família foi agredida em Lisboa por dois africanos que lhe roubaram todos os bens que levava. Teve inclusivamente de receber tratamento num hospital. Nem por isso se criou um ambiente racista na família. Pelo contrário, a família continuou a apoiar e a acompanhar, em Portugal, cidadãos africanos.

O que se passou há tempos num campo de futebol deverá classificar-se de racismo ou de mera estupidez e de clubite aguda?

Está a tratar-se com imensa leviandade e utilizando prismas partidários um assunto que se reveste de enorme gravidade e que exige imparcialidade e cabeça liberta de ideias preconcebidas e que têm meras finalidades políticas.

Na realidade há, e cada vez se sente mais, discriminação contra o próprio Povo Português. Que o digam os agricultores, a gente do Mar, os operários, os pequenos empresários…

Porque a classe política teme os referendos?

 

Os referendos são a forma mais democrática de escutar e de pôr em prática a opinião popular. Veja-se o notável exemplo da Suiça.

Mas por cá, a classe política raramente o permite, porque, no fundo, está-se marimbando para o que o Povo pensa ou para o que o Povo quer.

De que tem medo a classe política?

 

Cooperativismo

 

O Cooperativismo é o sistema que melhor poderá fomentar a elevação económica, social e política dos trabalhadores. Porque foi metido na gaveta? Porque não é divulgado e apoiado? Porque se tentam apagar as lições dos nossos mestres cooperativistas como António Sérgio? Porque não é dado a conhecer nas Escolas?

Porque, no fundo, se tenta apagá-lo da memória os Portugueses?


NESTA SECÇÃO

Fumeiro e legumes cozidos qual é o resultado?

Com este tempo de chuva e cinzento só apetece comida quente de tacho como o cozido à portugu...

“A Quaresma do deserto não é negação da autoestima”

(…) A nossa Quaresma recorda, não apenas a história de Israel, mas também a história pessoal...

Nª Srª das Candeias e a tradição dos fritos na Freguesia de São Mamede

Diz a tradição popular portuguesa que a 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, s...