Joana Magalhães

Pestanas que Falam

Ver a seleção e pagar

Hoje venho falar-vos de Portugal. Do nosso Portugal. Aquando da final da Liga das Nações fui ao café ver o jogo, como fez cada entusiasta “da bola” ou português patriota. Foi um bom jogo, emocionante, daqueles que nos carrega adrenalina no coração – isto, todos sentimos. Porém, a certa altura – e porque, embora sempre de olhos postos no jogo, a minha mente não fica focada 90 minutos entre quatro linhas – dei por mim a pensar na simbologia do momento. Os portugueses, reunidos à mesa, com apenas um objetivo comum, um desejo, a vitória. E ao mesmo tempo que achei curioso que o país foque as atenções naquela hora e meia de futebol, senti-me triste ao pensar que isso não acontece em mais nenhuma situação.

O João Miguel Tavares, no 10 de junho, culpou os políticos pela falta de um objetivo comum, pela falta de uma meta traçada, por não sabermos pelo que lutamos hoje e buscamos amanhã. Em certos aspetos, concordo com ele. Sim, é triste que a minha geração quando ouve os mais velhos falar nos planos de reforma responda com um “quando chegar à minha altura já não há nada disso”. Sim, é triste. E é triste porque não sabemos por que é que pagamos impostos, não sabemos para onde eles vão, nem para que é que servem, mas sabemos que temos de os pagar. É desinteresse? Também é. Mas é também a instalação da cultura “o governo leva tudo e não devolve nada”. É triste também que a minha geração sinta que pode ser perseguida porque deve 10 euros de IRS ou Segurança Social, mas que aos autores de corrupções baste continuar a pagar recursos no tribunal para não terem de devolver um tostão.

Dizem que somos a geração acomodada à casa dos pais e à saia da mãe. Também somos. Mas somos também a geração que vive com o medo do amanhã porque cresceu com a crise e com a realidade de que não há empregos estáveis, nem há dinheiro para ordenados que nos garantam pagar uma renda, água, luz e gás e ainda conseguir comer um mês inteiro. Por isso sim, estamos nos vintes e moramos em casa dos pais.

Mas também somos uma geração de grandes ambições, de grandes ideias, que não quer ser obrigada a emigrar para poder pagar as contas e ainda ter alguma qualidade de vida – como ir ao cinema uma vez por mês, jantar fora de vez em quando ou viajar. Mas a nossa geração precisa de uma base segura, que dê garantias e que não pareça todos os dias que vai quebrar no seguinte.


NESTA SECÇÃO

“Monumento que homenageia combatentes da Batalha inaugurado no centenário da Liga”

Exmº Senhor Diretor do Jornal da Batalha Sou a solicitar os vossos bons ofícios para corr...

Exigência de assinatura dos mapas de km

As importâncias auferidas pela utilização de automóvel próprio em serviço da entidade patron...

O conto do vigário

Na política e na atividade pública não vale tudo. Aliás, o dever ético e deontológico implic...