Cláudia Silva

Médica interna da USF Condestável, Batalha

Vamos falar sobre depressão?

A depressão é uma perturbação de humor muito frequente, que gera uma sensação de tristeza persistente e perda de interesse, que afeta negativamente a forma como um indivíduo se sente, pensa e se relaciona, resultando numa variedade de problemas físicos, emocionais e funcionais.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, representa um dos principais problemas de saúde da nossa atualidade, afetando duas vezes mais as mulheres.

A etiologia ainda não está totalmente esclarecida, contudo estudos apontam para que seja de causa multifatorial, resultante da combinação de fatores genéticos, biológicos, ambientais e psicológicos.

 

Como se apresenta?

Embora seja uma doença comum, é frequentemente desconsiderada por falta de reconhecimento como doença ou pela associação dos sintomas a outras causas, nomeadamente stress.

A apresentação e gravidade da sintomatologia difere de pessoa para pessoa, podendo os sintomas variar entre ligeiros e graves. Incluem-se: tristeza persistente ou sensação de “vazio”; perda de interesse ou prazer nas atividades diárias e de lazer; sentimentos de desesperança ou pessimismo; irritabilidade, tensão; perda de energia e lentificação; alterações do padrão de sono; alterações do apetite e do peso; dificuldades de concentração e/ou memorização; sentimentos de culpa e desvalorização; ideação suicida e/ou tentativas suicidas;

Persistência de sintomas físicos, sem causa orgânica aparente, que não melhoram com o tratamento convencional, como por exemplo dores crónicas, dores de cabeça ou problemas gastrointestinais.

Para que o diagnóstico seja estabelecido, os sintomas deverão estar presentes há pelo menos duas semanas.

 

Como se trata?

A depressão é uma doença tratável e a grande maioria dos doentes responde de forma favorável ao tratamento implementado, sendo que quanto mais cedo for iniciado, mais eficaz será.

Existem diversos tratamentos possíveis, onde se incluem a psicoterapia e os medicamentos antidepressivos, que podem ser usados de forma individual ou combinada, por um período de tempo significativo.

A escolha da estratégia terapêutica é feita de forma individualizada, tendo em consideração a gravidade da sintomatologia, a preferência do doente e a presença ou não de outras doenças.

Além do tratamento médico, deve-se procurar adotar alguns hábitos de vida que ajudam na saúde mental, tais como:

- Prática regular de exercício físico;

- Alimentação saudável e equilibrada;

- Dormir bem;

- Meditação;

 

Considerações finais:

É importante que a saúde mental seja reconhecida como parte integrante do bem-estar do indivíduo e que se quebrem os estigmas inerentes a esta temática.

Caso esteja a sentir algum dos sintomas anteriormente descritos, durante grande parte do seu dia ou quase todos os dias, poderá estar a sofrer de depressão. Procure ajuda de um profissional. Não ignore a sua saúde.

 


NESTA SECÇÃO

Dia Mundial do Ritmo Cardíaco – Todos juntos para um bom ritmo

A importância do ritmo certo é transversal a tudo no nosso dia-a-dia: seja no trabalho, na m...

Diabetes aumenta a prevalência de doenças gengivais

Considerado um problema de saúde pública, a diabetes resulta muitas vezes da forma como as p...

Diarreias de verão são uma ameaça à saúde e e bem-estar

Com a chegada de mais um verão, ainda que atípico devido à pandemia, o médico especialista e...