Francisco Oliveira Simões

Crónicas do Passado

Uma escola na Escócia

Há umas semanas falaram-me de um anúncio de emprego para trabalhar na Escócia. Tratava-se de uma proposta para exercer as funções de professor de História, integrado numa escola onde poderia ganhar novas competências e crescer intelectualmente, caso conseguisse sobreviver às adversidades. Não dispunha de muitas informações, referentes a esta vaga tão promissora, desta feita, pus pernas ao caminho.

Depois do avião ter aterrado em Londres, segui para a estação de comboios de Kings Cross. Lá chegado, ninguém era capaz de me dizer onde ficava a minha linha. Até que vi gente a atravessar uma parede entre a linha 9 e 10. Parece estranho isto de esconder linhas atrás das paredes, mas deve ser uma prática comum em terras britânicas. Apanhei o comboio movido a carvão e imaculadamente preservado, realmente os ingleses sabem conservar bem o património, temos muito a aprender com eles.

As paisagens verdejantes a perder de vista eram mágicas. Serviram-me uma refeição deveras curiosa. Comi de tudo, só houve uns feijões que me pareceram um pouco indigestos, mas a cozinha inglesa não tem a maior das famas.

Só alcancei o meu destino no alvor da noite. Arranjei um barco e remei até à tal escola colossal e assombrosa, não só na imponência, mas também a nível arquitetónico. Fui recebido por um senhor austero com uma gata assanhada. Encaminhou-me pelos corredores intermináveis e intrincados daquele castelo em estilo gótico, todo iluminado à luz das velas, devem andar a tentar poupar na eletricidade, bem os entendo. A escadaria com incontáveis lances movia-se de forma estranha, são daqueles mecanismos hidráulicos modernos. Portentosa tecnologia. Eu estava maravilhado, como é que nunca ouvira falar antes daquele portento histórico e patrimonial? A escola não tem as melhores condições, ouviam-se ruídos terríveis nas canalizações.

Fui deixado junto a uma sala com uma porta em madeira de carvalho, mesmo ao pé de outro Professor de cabelo louro e ricamente vestido, que também seria entrevistado. Ele meteu conversa comigo, talvez para saber se tinha uma concorrência à altura.

- Também é candidato à vaga para professor?

- Sim, de História.

- Ah! Eu estou candidato à outra. Sabe eu tenho uma vasta experiência e livros publicados na área de especialização. Já deve ter visto a minha cara aí algures.

- Por acaso, não.

Entretanto fomos interrompidos pelo senhor carrancudo e a sua malfadada gata. Transponho a porta da sala e deparo-me com três académicos. Um decano de barba branca longa, um cavalheiro de cabelo preto comprido e uma senhora muito direita de tez sábia. O decano começa.

- Seja muito bem-vindo à nossa escola, agradecemos por se ter deslocado até cá. Foi fácil dar com o castelo?

- Foi muito fácil, não custou nada. Só tive de apanhar um avião, um comboio e um barco a remos, nada mais simples.

- Folgamos em saber, mas se for contratado terá estadia permanente no local de trabalho.

- Mesmo que não seja o mais seguro… - afirmava sombriamente o cavalheiro de negro – Pode-nos falar um pouco da sua experiência profissional?

Contei todo o meu percurso académico e profissional, sem entender se lhes agradava ou não.

- Parece muito interessante a sua trajetória – constatava a senhora.

- Que varinha usa? – perguntava pragmaticamente o mesmo cavalheiro de negro.

- Uma Moulinex.

- Não conheço.

Mas porque diabo queriam eles saber que varinha mágica usava? Até se metem nos meus cozinhados. Confesso que nunca tive uma entrevista tão intrusiva na vida.

- Se gostar de desporto temos um campo à sua disposição, até lhe facultamos uma vassoura – informava o decano de barba longa.

- O meu desporto favorito é a memória – respondi atónito – não varro a poeira da História.

- Vai precisar dela para combater o herdeiro de Salazar.

A conversa era tudo menos normal. Parece que a História de Portugal nos persegue.

- Passando agora para a remuneração. Estamos a falar de um montante na casa dos 500 galeões líquidos por mês, já com estadia e refeições incluídas.

- Quanto é esse valor em euros?

- Agora não tenho bem presente, mas está interessado?

- Sim.

- Tem de saber lidar com criaturas mitológicas e seres sobrenaturais, tem estômago para esse tipo de coisas? – perguntava o cavalheiro de negro – é que no ano passado morreu-nos um Professor e não queremos que se repita, já deve ter visto nas noticias.

- Estou muito habituado a lidar com os alunos difíceis, se é isso que quer dizer. Não li nada sobre isso, realmente não estamos seguros em lado nenhum hoje em dia. Se me é permitido perguntar, como é que morreu esse professor?

- Foi possuído por um senhor, de quem não vou pronunciar o nome, e de seguida morto por um aluno.

- Ah!

- Se não tiver mais nenhuma questão, damos por encerrada a entrevista. Depois receberá uma coruja em casa com a nossa resposta, mesmo que não seja o escolhido.

Ainda não recebi nenhuma coruja na varanda, só os pombos do costume, mas não me parece que queira assim tanto aquele emprego.

 


NESTA SECÇÃO

Agitar das águas da política local

“O pessimista reclama do vento, o otimista espera que ele mude, o realista ajusta as velas”....

Música fácil, mas só na aparência

Muito em voga nas décadas de cinquenta e sessenta do século XX, o Easy listening, também con...

Gestão pública e orçamentos

Estamos em época de aprovação de orçamentos, quer do Estado, quer das autarquias. Como já...