João Pedro Matos

Tesouros da Música Portuguesa

Um cantor entre Braga e Nova Iorque

No dia vinte e dois deste mês chega às salas de cinema o muito aguardado filme sobre a vida e obra de António Variações, um dos mais importantes cantores portugueses de todos os tempos. Mas como esta rubrica não tem a pretensão de tratar de cinema, vamos cingir-nos a falar de António Rodrigues Ribeiro, de seu nome artístico António Variações.

Nascido no Minho (na aldeia de Fiscal, concelho de Amares) no dia três de Dezembro de 1944, foi o quinto de dez irmãos. Após ter realizado o exame da antiga quarta classe, parte para Lisboa onde arranja trabalho como marçano. A este seguiu-se uma série de outros empregos.

Entretanto, percorre uma boa parte da Europa e absorve o que de melhor se faz lá fora a nível musical, em países como a Holanda, Inglaterra e França. Ouve todo o género de música, desde folclore, do rock ao jazz, porque já havia tomado uma importante decisão: ia tornar-se cantor, custasse o que custasse.

Enquanto compõe e canta, António Rodrigues Ribeiro abre um salão de barbearia no nº 70 da Rua de São José em Lisboa. É na qualidade de barbeiro que trava conhecimento com Júlio Isidro, a quem entrega uma cassete com gravações caseiras. Na sequência deste contacto, aparece no programa de televisão O Passeio dos Alegres, onde interpreta um tema nunca antes editado: Toma o Comprimido.

Trajando um pijama, de brincos e óculos excêntricos, António mostrou-se a um país que não estava habituado a ver nada semelhante. Corria o ano de 1981. Não tardou a lançar o seu primeiro disco, produzido por Ricardo Camacho, músico da Sétima Legião.

É durante a sessão de gravações do single de estreia que expressa o desejo que o som produzido entoe como entre Braga e Nova Iorque. Queria ele dizer que procurava um estilo entre a vanguarda artística e o folclore minhoto. E conseguiu-o. Se a sua voz por vezes dá-nos a sensação que ouvimos Billy Mackenzie, do grupo de vanguarda Associates, os arranjos de algumas das suas músicas evocam os viras e arraiais do Minho (como em Quem Feio Ama… ou em Que Pena Seres Vigarista), porque António nunca rejeitou as suas raízes.

No lado A do seu primeiro single podia ouvir-se Estou Além, que num curto espaço de tempo se tornou num enorme sucesso. E, no outro lado desse disco, encontrava-se uma genial versão de Povo Que Lavas no Rio, fado celebrizado por Amália. Aliás, Amália Rodrigues era uma das suas principais influências; era mesmo a sua musa inspiradora.

Em 1983 lança o seu primeiro trabalho de longa duração, intitulado Anjo da Guarda, que em poucas semanas é galardoado com Disco de Prata. Muita gente aprendeu de cor a cantar É P’ra Amanhã ou O Corpo é que Paga.

No ano seguinte, vem a lume o seu segundo e derradeiro álbum: Dar & Receber, o qual revela uma maior maturidade do cantor. Os arranjos e a produção são mais cuidados, contando para tal com a preciosa colaboração de dois elementos dos então Heróis do Mar: Carlos Maria Trindade e Pedro Ayres de Magalhães.

Mas, mal o disco chegou aos escaparates, e as estações de rádio começavam a divulgar a célebre Canção de Engate, António Rodrigues Ribeiro veio a falecer. Foi no dia treze de Junho de 1984 e contava trinta e nove anos de idade. Alguns anos depois, em dezembro de 1993, ficou pronto um disco de homenagem, onde participaram os Resistência, Delfins, Madredeus, Mão Morta, entre outros. Chamaram-lhe Variações, As Canções de António. E em 2004 foram editadas algumas canções que ele deixara inéditas. O projeto que as editou, sob o nome de Humanos, tinha como protagonistas Camané, David Fonseca e Manuela Azevedo, os quais emprestaram as suas vozes para cantar temas que adquiriram enorme popularidade, tão conhecidos como são Já Não Sou Quem Era, Quero é Viver, Muda de Vida ou Maria Albertina.

Finalmente, no ano de 2006 foi lançada a compilação A História de António Variações – Entre Braga e Nova Iorque, a qual reúne a obra integral deste cantor extraordinário, agora também homenageado através da Sétima Arte.

 


NESTA SECÇÃO

Conservar e aproveitar o que a natureza oferece

A natureza é generosa e frequente nesta época. O nosso quintal está produzir mais do que nec...

Eleições autárquicas

Dentro de cerca de dois meses, teremos novas eleições para as autarquias locais. Todas as el...

Ode Clássica dos Fantasmas Imemoriais

A presente narrativa continua a epopeia deste humilde cronista pelo ano de 1935, que havia s...