Francisco Oliveira Simões

Crónicas do Passado

Trespassa-se

Este mês o tema do artigo tarda em chegar. Procuro entre os meus pensamentos e manuscritos soltos pela secretária, mas nada aparece. Espero que chegue na alvorada um cavaleiro andante que me resgate deste vazio criativo, o autor desesperado e em apuros, tal como uma donzela desampara numa torre de um qualquer castelo longínquo.

Desembrulho papeis amarelecidos pelo tempo, neles guardo memórias e relatos trovadorescos, mas nada se destina a este tão prestigiado periódico, que muito estimo.

Descobri qualquer coisa, vamos ver o que encontro nesta página solta, pode ser que tenha encontrado algo. Afinal nada está perdido. Vou transcrevê-lo para que possam apreciá-lo com toda a clareza: “Lista de Compras: pão; manteiga; azeite; vinho…”.

Afinal enganei-me, este mês está complicado. Só me resta admitir o meu erro e apresentar as minhas mais sinceras desculpas… Finalmente vislumbrei algo de interesse geral, trata-se de uma investigação intitulada Os Riscos de Passear na Floresta Durante o Período da Peste Negra – Conquistas, Retrocessos e Desafios na Era das Trevas Iluminadas. Infelizmente não o vou poder publicar na íntegra devido à sua extensão, pois desenvolve-se por trezentas páginas, fora os anexos.

Em tempos levei a cabo uma investigação sobre a Livraria Real, na época de D. João I e de D. Duarte. Vou deixar aqui um pouco desses escritos:

“D. João I revela que a literatura, como meio cultural, é deveras importante, para que no futuro se conheça as memórias e saberes antecessores. Esta perspetiva mostra a viragem do século XIV para o XV, com a aclamação de uma nova dinastia, dando-se início a uma época boreal das letras em Portugal, reconhecida por inúmeros estudiosos.

O aspeto interessante da dinastia de Avis, no que concerne à ciência das letras, é sem dúvida a sua produção literária, rompendo com a exclusividade medieval da literatura clerical. Revelando que a aristocracia começava-se a interessar pela escrita, a par da sua predominante ocupação, as armas. Abrindo, desta forma, o período da História Moderna portuguesa, após a pacificação com Castela, selada no ano de 1411.

Os principais impulsionadores desta nova abertura às letras foram: o Rei D. João I; o Rei D. Duarte; e o Infante D. Pedro. Que além de editarem as suas próprias obras, também se dedicaram a traduzir, para português, alguns ensaios clássicos, exemplares dignos da era humanista, que começa a surgir

D. Duarte tinha uma livraria vasta, composta por cerca de oitenta volumes, quase todos de cariz religioso, mas com títulos clássicos latinos e gregos. Esta sua coleção suplantava a de seu pai e até do Rei inglês Ricardo II, que obtinha apenas vinte livros, revelando-se assim uma das maiores coleções das casas reais da época. Mas quem detinha um grande número de livros, entre religiosos, clássicos e profanos, era João, Duque de Berry, que ainda no século XIV tinha cento e cinquenta livros na sua biblioteca, apesar disso era um número inferior se comparado com o maior colecionador da época, o Rei D. Afonso V de Aragão, com o extraordinário volume de mil obras. Em Portugal as bibliotecas monásticas chegam a ter cerca de quinhentos exemplares, entre livros das horas e códices. Mas com o aparecimento da tipografia, começaram a aparecer coleções vastas, como a de D. Teodósio, Duque de Bragança, que detinha mil e quinhentos e noventa e seis livros.”

Como veem este mês não tenho artigo, peço que me desculpem e prometo ter algo melhor para apresentar no próximo número do Jornal da Batalha.


NESTA SECÇÃO

Nª Srª das Candeias e a tradição dos fritos na Freguesia de São Mamede

Diz a tradição popular portuguesa que a 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, s...

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...

Fumeiro e legumes cozidos qual é o resultado?

Com este tempo de chuva e cinzento só apetece comida quente de tacho como o cozido à portugu...