Joana Magalhães

Pestanas que Falam

Trabalhar aleija

Há duas semanas que olho para a minha mesinha de cabeceira e vejo o novo livro do Ricardo Araújo Pereira, “Estar vivo aleija”. Há duas semanas que o livro permanece, por ler, no primeiro sítio onde o pousei quando cheguei a casa. No entanto, só o título já me leva à reflexão acerca do seu significado. Eu mudaria para: “Trabalhar aleija”. Arrisco isto sem saber sequer o conteúdo do livro. Mas a verdade é que se não fosse o trabalho certamente que o livro estaria já lido e a lição estudada. O que não é o caso, uma vez que assim que me deito na cama o sono é mais forte que eu e do título não consigo passar.

Trabalhar, de facto, aleija. Até podia puxar do cliché "faz o que gostas e não terás de trabalhar um único dia na vida" mas duvido que mesmo a fazer o meu trabalho de sonho não tenha vontade de, de vez em quando, enrolar tudo numa bola de papel e atirar fora (para não dizer pior). Trabalha-se para se poder viver, o que só por si já não faz sentido. Se se trabalha só para viver então não se vive, sobrevive-se. Viver era trabalhar 10% do dia e aproveitar os 90% que sobram, e... Mesmo assim... Mas nós trabalhamos mais de metade do dia, ou das horas em que estamos acordados, e depois, sobram quantas horas para viver? Não me parece... Por isso sim, trabalhar aleija e não acredito que passe com o tempo. Se calhar melhora com a rotina, mas não passa.

Mas, como se costuma dizer "quando eu mandar nisto tudo não vai ser nada assim". Quem sabe, um dia.


NESTA SECÇÃO

Bons ventos

Na passagem de mais um 9 de abril, comemorámos o 81º aniversário do Núcleo da Batalha da Lig...

A mulher de César

À mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta. Como todos os bons provérbios...

Novas competências no domínio da saúde

Aprovado em 30 de janeiro de 2019, o Decreto-lei 23/2019 que concretiza o quadro de transfer...