João Pedro Matos

Tesouros da Música Portuguesa

Tony de Matos, o destino de um romântico

O Destino Marca a Hora, de 1970, é um filme de Henrique Campos em que participa Tony de Matos. Contracenando com Isabel de Castro e Eugénio Salvador, o fadista interpreta o tema que dá nome ao filme, cuja letra diz que o que rege a sorte agora, foi escrito outrora, logo ao nascer. E o destino de Tony Matos estava traçado quando veio ao mundo num berço de artistas.

Nascido na cidade do Porto em 1924, e batizado António Maria de Matos, desde muito cedo tomou contato com o teatro, porquanto a sua mãe e o seu padrasto eram atores da companhia itinerante Rafael Oliveira, Artistas Associados. Nessa mesma companhia, com apenas treze anos, já desempenhava a função de ponto e cantava no final dos espetáculos.

Aos vinte anos, vai para Lisboa onde consegue ingressar como cantor na Emissora Nacional. Em 1948 estreia-se no Café Luso, casa que o contrata por dois anos. Mais dois anos volvidos, grava o seu primeiro disco que é um sucesso retumbante: Cartas de Amor.

No ano de 1953 vamos encontrá-lo pela primeira vez no Brasil, país que o acolhe calorosamente e onde se fixa quatro anos mais tarde. Em Copacabana irá abrir o restaurante típico O Fado. A par de atividade como artista naquele restaurante, atua na rádio e televisão do Brasil, designadamente na Rádio TV Tupi.

Corria o ano de 1963 quando decide voltar a Portugal, sendo então eleito Rei da Rádio Portuguesa. Nessa altura, havia já gravado êxitos como Só Nós Dois, Vendaval, Lado a Lado ou Procuro e Não te Encontro. Galardoado com o Prémio de Imprensa da Música Ligeira de 1964, Tony de Matos faz também uma interessante carreira no cinema, destacando-se como ator nos filmes Rapazes de Táxis (1965), Bonança & Companhia (1969) ou Derrapagem (1972).

Em 1974 aventura-se pelos Estados Unidos, numa digressão brilhante, fixando residência naquele país durante oito anos. Regressa outra vez a Portugal para abrir um restaurante em Lisboa de parceria com Carlos Zel e Filipe Duarte.

Em 1985 edita o seu segundo álbum, Romântico, e é recebido em apoteose no concerto que dá no Coliseu dos Recreios, concerto em que foram convidados Carlos Zel e Maria da Fé.

Por seu turno, Herman José convidou-o para participar no primeiro programa da série Humor de Perdição. Cantor Latino é o título do seu derradeiro álbum que é lançado em 1988 e para o qual escreveram canções autores como Paulo de Carvalho, Rui Veloso, João Gil, Carlos Mendes ou Tozé Brito. Decorrido um ano, viria a falecer, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

Tony de Matos cantou o amor de forma apaixonada, exacerbada quase ao grau do desespero ou da loucura. Mas não podemos esquecer o grande ator que ele era, e parafraseando Fernando Pessoa, o poeta é um fingidor. De qualquer modo, o seu poder interpretativo era tal que provocava o efeito de paixão única e arrebatadora, que transmitia ao ouvinte a sensação de excesso sentimental. E se a arte é essencialmente um efeito, então grande é a arte de Tony de Matos, porquanto o excesso transmitido transporta o ouvinte ao nível do amor jamais encontrado (dir-se-ia mesmo impossível), ou à intensidade de paixão e ciúme insuportáveis.

Em 2019 completa-se trinta anos sobre a sua morte e não podíamos deixar de assinalar essa efeméride. Do seu vasto reportório (Tony de Matos gravou cerca de uma centena de singles), salientam-se naturalmente as canções A Tal, Quando Cai uma Mulher, De Homem Para Homem, Vendaval, Cartas de Amor, Lugar Vazio, De Bar em Bar, O Destino Marca a Hora, Poema do Fim, Só Nós Dois, Cantor Latino. Conotado durante muito tempo com o chamado nacional cançonetismo, Tony de Matos é hoje considerado como um dos principais fadistas do século XX. Honremos a sua memória.


NESTA SECÇÃO

Alterações climáticas: pensar global e agir localmente

As alterações climáticas são já uma realidade muito próxima de cada um de nós. Hoje sabemos ...

Orçamento

Estamos em época de aprovação de orçamentos, quer do Estado, quer dos municípios, quer ainda...

Voltemos às eleições legislativas

O ato eleitoral do passado dia 6 de outubro mostrou um crescimento sustentado do Partido Soc...