Tenossinovite de De Quervain

Na edição de maio dedica-se o presente artigo ao tema Tenossinovite de De Quervain. Uma tenossinovite é uma inflamação de um tendão (tendinite) associada à inflamação da bainha protetora que cobre esse mesmo tendão.

A tenossinovite ou síndrome de De Quervain é uma inflamação que afeta os tendões do punho que se dirigem para o polegar, nomeadamente o longo abdutor e o curto extensor do polegar, na zona onde atravessam uma bainha fibrosa espessa. Foi descrita pela primeira vez pelo médico suíço Fritz De Quervain, no ano de 1895, daí a atribuição do seu nome à disfunção.

As causas da tenossinovite de De Quervain são desconhecidas, contudo na maioria dos casos está associada ao sobre-uso, quer nas atividades da vida diária quer na atividade laboral ou por patologia reumatismal. Qualquer atividade que envolva movimento repetitivo do punho e mão, tais como: jardinar, jogar ténis, tocar piano ou pegar num bebé, pode desencadear e/ou agravar a sintomatologia.

A tenossinovite de De Quervain está associada a diversas atividades laborais que exijam posturas mantidas ou gestos repetitivos atingindo, sobretudo trabalhadores manuais (como empregados fabris, pintores, músicos); o que constitui uma doença do trabalho ou doença profissional.

Esta disfunção afeta essencialmente adultos entre os trinta e os cinquenta anos; as mulheres são dez vezes mais afetadas que os homens.

Os sinais e sintomas da tenossinovite são: Dor ao longo do polegar que aparece gradualmente; Progressivamente a dor será sentida no punho e pode irradiar até ao antebraço. As queixas geralmente pioram com a atividade (principalmente na preensão e torção do punho). Em situações mais severas pode existir edema ao nível do punho e a dor estará presente mesmo em repouso.

O diagnóstico da lesão terá que ser sempre realizado por um médico especialista que definirá o melhor método de tratamento.

A Fisioterapia apresenta bastante eficácia no tratamento desta lesão. Paralelamente aos tratamentos de Fisioterapia, numa fase inicial da lesão é indicado repouso do utente/atleta e aplicação de gelo local.

É de salientar a importância do exercício físico regular e dos alongamentos na prevenção deste tipo de lesões de sobre-uso. Qualquer indivíduo deverá alongar no seu dia-a-dia consoante as suas necessidades, quer exigidas pela atividade laboral quer pelas atividades desportivas ou de lazer.


NESTA SECÇÃO

Em tempo de Covid, “contar carneirinhos” não chega

Março é um mês de mudança, onde a primavera bate à porta e o sol começa, timidamente, a apar...

Reabriu a extensão de saúde do Reguengo do Fetal

A extensão de saúde do Reguengo do Fetal reabriu no dia 15 de março, após obras de conservaç...

A diabetes é a principal causa de cegueira

No dia 14 de novembro celebra-se anualmente o dia Mundial da Diabetes. Desde 1991 que a Orga...