Joana Pinto

Interna de Medicina Geral e Familiar USF Condestável

Tempo de primavera, tempo de alergias

Nesta época do ano, com a chegada da primavera, na qual os dias se tornam mais quentes e secos, verifica-se o aumento da concentração de pólen no ar, originando um aumento dos casos de rinite alérgica. Esta patologia ocorre devido a uma reação inflamatória da cavidade nasal a um fator ambiental desencadeante.

Entre os muitos pólenes, os que causam mais alergias são os de ervas como as gramíneas e a parietária, e de árvores, nas quais se destaca o pólen da flor da oliveira. Para além dos pólenes, outros alergénios comuns que despoletam quadros de rinite são ácaros, pelos de animais, fungos e poeiras.

Pessoas que apresentem outras doenças alérgicas, como asma, eczema e conjuntivite alérgica, têm uma maior predisposição para desenvolver rinite alérgica. Familiares com histórico de alergias, frequentar locais mal ensolarados e mal ventilados e locais com poluição do ar são outros fatores de risco.

Nariz a pingar ou entupido, espirros, comichão, tosse seca, garganta irritada, olhos vermelhos e lacrimejantes e, por vezes até ataques de asma, são alguns dos sintomas mais frequentes.

Além desta sintomatologia afetar a qualidade de vida, surgem repercussões socioeconómicas negativas com custos diretos em consultas e exames complementares de diagnóstico e custos indiretos por absentismo laboral e diminuição da produtividade/aproveitamento escolar. Neste sentido, torna-se importante o diagnóstico e tratamento corretos e a tranquilização do doente.

A forma mais simples de prevenir crises de rinite alérgica é evitando o contato com a substância que desencadeia os sintomas, embora nem sempre seja uma tarefa fácil. Devem ser evitadas atividades ao ar livre, nomeadamente, em jardins e parques e em casa todos os locais devem ser bem ventilados e ensolarados. Objetos que possam acumular poeiras e ácaros, tais como, carpetes, cortinas, tapetes e peluches devem ser retirados das diversas divisões da casa, principalmente dos quartos.

Para alívio dos sintomas, é essencial uma boa higiene das fossas nasais, limpando-as regularmente com soro fisiológico ou água do mar. Os sprays nasais com corticosteroides e os anti-histamínicos em comprimidos diminuem a inflamação e a escorrência nasal. Vacinas antialérgicas são também uma opção nos casos em que não haja melhoria com medidas de higiene e terapêutica médica e nos casos em que não se pode evitar contato com o alergénio.

Uma vez que esta doença causa incómodo no dia a dia, deve fazer-se educação para a saúde, com vista a que o doente aprenda a gerir a doença, prevenindo e controlando os sintomas, e consequentemente, melhorando a sua qualidade de vida.


NESTA SECÇÃO

Cuide da sua saúde! - Alguns conselhos práticos

O que é a saúde? O conceito de saúde foi amplamente modificado ao longo do tempo. Estar s...

Covid-19 – É importante ir de férias, mas em segurança!

Alguns meses depois do início da pandemia que tem marcado 2020, o calor veio para ficar, e o...

A pandemia… dos ignorados

Desde o aparecimento do primeiro caso de Covid-19, em Portugal, têm-se sucedido medidas de p...