João Ramos

Fisioterapeuta

Smartphone e os problemas de coluna

Já parou para pensar quanto tempo do seu dia é direcionado ao uso do seu smartphone? O artigo deste mês dedica-se a abordar o tema do uso do smartphone e os problemas de coluna vertebral que daí advém.

O uso de tecnologias de informação e comunicação como smartphones e tablets tem aumentado todos os anos na população em geral. Por lazer ou por trabalho, em ambiente escolar ou familiar, estes aparelhos já estão bem enraízados no nosso dia-a-dia.

Segundo os investigadores nesta área, as lesões músculo-esqueléticas relacionadas com o uso do smartphone incluem fadiga muscular devido aos movimentos repetidos do membro superior, essencialmente a flexão da cervical e a flexão do ombro. Os sintomas predominantes são: a dor, rigidez, alterações na sensibilidade na região cervical, ombros e braços; isto deve-se ao facto de se tratar de músculos estabilizadores para o movimento dos segmentos distais dos membros superiores.

Outra desvantagem do uso excessivo do smarthphone é a diminuição da atividade física. A Organização Mundial de Saúde recomenda que os adolescentes acumulem por dia pelo menos sessenta minutos de atividade física de intensidade moderada a vigorosa, tais como: brincar, jogar, praticar desporto, deslocações, atividades de lazer, educação física ou exercício planeado.

Sabia que inclinar o pescoço para olhar para o seu smartphone pode aplicar uma força de cerca de trinta quilos na coluna? Esta foi a conclusão de um estudo publicado na revista científica Surgical Technology International, que estudou o impacto da utilização do smartphone na coluna cervical. A conta é simples: a cabeça humana pesa (em média) cinco quilos. Com a inclinação da mesma no sentido frontal, o peso é exponenciado; dependente do grau de inclinação, a força de gravidade aumenta.

Com o pescoço inclinado a sessenta graus, o impacto na coluna do utilizador chega aos vinte e sete quilogramas. Já calculou o esforço que é para a sua coluna?

Consequência da utilização excessiva das tecnologias bem como outras posições e atividades que afetam a dinâmica normal da coluna vertebral, investigadores concluem que cada vez é maior o número de adolescentes e adultos com problemas de coluna. Desde torcícolos musculares, escolioses, até prolapsos discais e hérnias discais, são inúmeras as disfunções da coluna que se podem desenvolver fruto deste “vicio da população do século XXI”.

 


NESTA SECÇÃO

Em tempo de Covid, “contar carneirinhos” não chega

Março é um mês de mudança, onde a primavera bate à porta e o sol começa, timidamente, a apar...

Reabriu a extensão de saúde do Reguengo do Fetal

A extensão de saúde do Reguengo do Fetal reabriu no dia 15 de março, após obras de conservaç...

A diabetes é a principal causa de cegueira

No dia 14 de novembro celebra-se anualmente o dia Mundial da Diabetes. Desde 1991 que a Orga...