Joana Crispim

Mestre em Psicologia Clínica e formada em Hipnose

Síndrome de burnout

Referimo-nos a esta síndrome quando o stress que faz parte do nosso dia-a-dia se torna como uma consequência deste ritmo acelerado. A crise parece ter contribuído para o grau de pressão em responder às exigências que vão surgindo no ambiente profissional. E em geral o ritmo acelerado da nossa sociedade, as condições de trabalho que por vezes são desgastantes, provocam em nós um estado de grande tensão emocional.

Muitas são as vezes que a pessoa se sente num paradoxo da organização onde labora “se está tudo nas tuas mãos e não aguentares é porque és fraco e de fácil substituição”, colocando a pessoa num beco sem saída. A verdade é que muitas das empresas portuguesas ainda encaram as perturbações de saúde mental como um problema separado do clima organizacional. Será que poderemos estar perante uma crise civilizacional tão grande como na época da Revolução Industrial?

O próprio termo burnout revela que este desgaste danifica não só aspetos psicológicos como físicos, e como consequência conduz a um prejuízo para a saúde física, mental e também emocional. O esgotamento derivado desta síndrome reflete-se de comportamentos identificáveis como: agressividade, isolamento, irritabilidade, falha de memória, ansiedade, tristeza, entre outros. Relativamente a esta temática, estudos referem que existem diferenças de género. Sendo que as mulheres apresentam pontuações mais elevadas na exaustão emocional, é possível que já tenhamos ouvido uma colega dizer “não aguento mais”. Já eles, são mais propensos à frieza emocional o que lhe proporciona uma certa proteção em desenvolver esta síndrome.

É de grande relevância observar se é o contexto profissional que está na causa do burnout ou se o que gera a crise se incide nas atitudes da própria pessoa face à organização.

Assim sendo, o tratamento psicológico terá como objetivo fulcral realizar uma mudança funcional permitindo adotar estratégias adaptativas ao sujeito para que as consiga empregar no seu dia-a-dia, diminuindo os níveis de burnout e assim melhorar a sua qualidade de vida. 


NESTA SECÇÃO

COVID-19: O que esperar da nova vacina?

A COVID-19 tem sido em 2020 o “inimigo” número um da humanidade, não só ao nível da saúde co...

COVID-19 e as crianças

O coronavirus é um tema atual e é importante que se adote uma postura que ajude as crianças ...

Câmara faz obras para que extensão de saúde possa abrir

O Município da Batalha promoveu uma reunião técnica com os responsáveis da Administração Reg...