José Travaços santos

Baú da Memória

Senhora do Ó

Em 18 de Dezembro celebra-se Nossa Senhora sob a invocação de Senhora do Ó. É a celebração do anúncio, pelo Arcanjo São Gabriel à Virgem Maria, da conceição do Filho de Deus.

Sobre esta invocação, diz o padre Dr. Jacinto dos Reis no seu precioso livro “Invocações de Nossa Senhora em Portugal de Aquém e Além-Mar e seu Padroado”, editado em 1967 (e a merecer e a precisar de reedição), que a origem desta singular invocação está na recitação das 7 Antífonas que começam por Ó – Ó Sapientia, Ó Adonai, etc. – nas Vésperas do Ofício Divino, desde 17 a 23 de Dezembro. Esta festa já vem do Concílio de Toledo, realizado no século VII. Começou com o nome de Anunciação, depois com o nome de Expectação do parto de Nossa Senhora e, desde há muito, é conhecida por festa de Nossa Senhora do Ó…”.

Creio que esta invocação é muito própria de Portugal e da Espanha, parecendo-me que pelo menos não é usual noutros países ditos cristãos.

No nosso Mosteiro há três expressivas imagens da Senhora do Ó (ou da Expectação ou da Anunciação), embora apenas uma esteja bem visível, a que está no lanço leste do Claustro Real, num janelão da Casa do Capítulo, e que se reproduz nesta secção fotografada por António Luís Sequeira.

Às outras duas (e não haverá mais?) referir-me-ei algumas páginas adiante no Apontamento nº 188 sobre a História da Batalha.

Da imagem do Claustro Real, que tem ao lado o Arcanjo da Anunciação, possuo uma valiosa réplica esculpida, no calcário regional, pela notável escultora Adália Alberto, antiga e brilhante aluna do Mestre Alfredo Neto Ribeiro e da lamentavelmente extinta Escola de Canteiros da Batalha.

Porquê esta repetição da invocação no Mosteiro? Resultaria dalguma devoção especial dos Dominicanos? Que significado teria?

Lembro, o que será significativo, que a introdução destas três imagens foi feita já depois da doação do Mosteiro (em Março de 1388) pelo Rei D. João I à Ordem Dominicana. A obra teria começado no princípio desse ano que aparece gravado num dos vitrais laterais da Capela Mor, vitral este reproduzindo apenas uma memória que tanto poderá ser a do início da obra como a da doação àquela Ordem.

A imagem da Senhora, que está à entrada da Casa do Capítulo, é invulgar, duma extraordinária originalidade, pois tem um colar de seis mãos espalmadas, como se pode ver na fotografia. As mãos têm a função de esconjurar o mal e de defender o ser divino ainda no ventre da sua mãe terrena. À referida imagem falta-lhe a mão direita, levantada num gesto de defesa, que o tempo ou um acto de vandalismo teriam destruído. Mas sobre esta escultura há um mistério por desvendar, de que falarei no Apontamento 188.

 


NESTA SECÇÃO

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...

Fumeiro e legumes cozidos qual é o resultado?

Com este tempo de chuva e cinzento só apetece comida quente de tacho como o cozido à portugu...

“A Quaresma do deserto não é negação da autoestima”

(…) A nossa Quaresma recorda, não apenas a história de Israel, mas também a história pessoal...