Região perde 9,1 milhões para combater poluição pecuária

O presidente da Câmara da Batalha lamentou esta quarta-feira, 27, que o ano termine “com a notícia da incapacidade” da Associação de Suinicultores de Leiria (ASL) para apresentar uma candidatura à construção da Estação de Tratamento de Efluentes Suinícolas do Lis (ETES Lis).

Paulo Batista Santos, também vice-presidente da Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria, refere na sua página no Facebook que “o ano de 2017 termina com a notícia da incapacidade da ASL em congregar os meios financeiros necessários para realizar o projeto da ETES Lis”.

“Perdemos fundos comunitários [9,1 milhões de euros] e persiste um grave problema ambiental na região de Leiria”, adianta o autarca, entendendo que “a questão não pode, nem deve ser esquecida: devemos exigir responsabilidades e sobretudo reclamar soluções. Tal como foi afirmado pelo Governo, "o problema da poluição das suiniculturas em Leiria tem de mudar!"

O secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, defendeu a 30 de novembro, na Batalha, que o problema da poluição suinícola na região de Leiria "tem de começar a mudar hoje", mostrando "esperança" na construção da ETES Lis. Os ministérios do Ambiente e da Agricultura estavam "muito esperançados” que viesse a ocorrer a candidatura à construção da ETES do Lis, cujo prazo termina no final deste ano.

O governante criticou a morosidade do projeto que, em 2014, garantiu um apoio de 9,1 milhões de euros de fundos nacionais e comunitários [agora definitivamente perdidos], mas que sofreu sucessivos adiamentos por falta de modelo de financiamento da parte dos suinicultores.

"Se não há solução, temos de passar à frente. A alternativa é o tratamento dos efluentes de forma individual, com mais custos. A partir daí, quem não cumprir as regras ambientais encerra o negócio, é punido ou assume uma despesa muito maior da solução individual", destacou Paulo Batista Santos.

"Não tenho dúvidas que se adivinha o encerramento de empresas. Se a ETES não for realizada, seguramente mais de 50% das suiniculturas não tem condições de sobrevivência", considerou o autarca, concluindo: “Há uma linha vermelha traçada até ao fim de 2017. O que temos sofrido na região de Leiria com o passivo de direito à natureza e poluição das linhas de água não é possível nem aceitável”.


NESTA SECÇÃO

Batalhenses podem votar projeto até 30 mil euros

Os batalhenses que pretendam participar no Orçamento Participativo têm até dia 11 de feverei...

Habitação mais cara 4,43% na Batalha

O concelho da Batalha está na sétima posição entre os concelhos do distrito com a habitação ...

Real Batalha Baga & Syrah ganha medalha de prata

O vinho Real Batalha Baga & Syrah, da Adega Cooperativa da Batalha, ganhou uma medalha de pr...