Procissão dos caracóis atrai 15 mil pessoas a cenário invulgar

A procissão em honra de Nossa Senhora do Fetal, no Reguengo do Fetal, voltou a ser iluminada, nos dias 29 de setembro e 6 deste mês, com candeias feitas com milhares de cascas de caracóis e pavios embebidos em azeite, criando um cenário invulgar.

Os festejos começaram a ser preparados na primavera e, durante a primeira procissão, depois da missa, pelas 22 horas, a iluminação pública foi desligada e a procissão com a imagem de Nossa Senhora do fetal saiu à rua, do santuário para a igreja matriz, pouco depois de dezenas de voluntários acenderem os pavios regados de azeite introduzidos nas cascas dos caracóis. Na segunda procissão, uma semana depois, repetiu-se o ritual, mas no trajeto inverso.

A procissão percorre uma distância de 800 metros e o número de participantes tem aumentado bastante nos últimos anos. Há duas décadas envolveria umas 200 pessoas, quando hoje se calcula que sejam 15 mil. A manifestação religiosa começou a ganhar um novo fôlego há uma dúzia de anos, quando a autarquia local começou a incentivar a população a dar continuidade à tradição, envolvendo grupos, escolas, associações, casa do povo e o rancho folclórico.

Aliás, um dos grandes desafios que se coloca à organização é a 'gestão' do número de peregrinos, estando a ser equacionada a disponibilização, no futuro, de um comboio que transporte os visitantes desde o campo de futebol, onde deixariam os carros, até ao local da procissão.

Para iluminar as ruas, encostas e a paisagem envolvente ao percurso da procissão, que começa a ser preparada com seis meses de antecedência, são necessárias 10 a 15 mil cascas de caracóis nas duas procissões e 500 litros de azeite. Na edição deste ano foram usados seis quilómetros de torcida de algodão.

As iluminações mantêm-se acesas por um período de 20 e os 30 minutos, e o uso do caracol e do azeite explicar-se-á com o facto de serem materiais originalmente comuns no mundo rural. Hoje, a recolha de caracóis nos campos é insuficiente e é necessário recorrer a produtores que oferecem as cascas.

Em paralelo aos festejos, a junta de freguesia promove um concurso de fotografia, que vai na quinta edição e tem um prémio máximo de 200 euros. Há ainda prémios monetários para o segundo e terceiro classificados, bem como para os participantes mais jovem e mais idoso.

Foto: Facebook/Marta Marques Franco‎


NESTA SECÇÃO

Bolsas duplicam para alunos que forem para os Açores

A Câmara da Batalha anunciou que vai duplicar o valor das bolsas de estudo a atribuir aos jo...

Escola requalificada abre portas a projeto sempre inacabado

A obra de requalificação da Escola Básica e Secundária da Batalha foi inaugurada no dia 7 de...

Casal de burlões condenado por arrendar casas alheias

O Tribunal de Leiria condenou um casal residente no Concelho da Batalha a sete anos de prisã...