“Previstos investimentos de 87 milhões no saneamento da região”

O presidente da Águas do Centro Litoral, Alexandre Oliveira Tavares, faz o balanço dos cinco anos de existência da empresa, fundada em 2015, enunciado os principais investimentos nas áreas do saneamento e do abastecimento de água

 

A Águas do Centro Litoral (AdCL) recolhe e trata os efluentes domésticos e industriais do concelho da Batalha. Que investimentos estão previstos para a região?

Na área do saneamento, AdCL explora na região do Leiria 10 ETAR (estações de tratamento de águas residuais), 28 estações elevatórias e 355 quilómetros de emissários e condutas elevatórias, recolhendo e tratando os efluentes domésticos e industriais dos municípios de Batalha, Porto de Mós, Ourém, Leiria, Marinha Grande e Ansião.

Na região estão previstos investimentos de requalificação e de manutenção preventiva, projetos em andamento ou em iminência de lançamento, num total de 87 milhões de euros. Estamos a falar, por exemplo, de obras de requalificação ou manutenção da ETAR do Coimbrão, no valor de 3,6 milhões de euros, dos 11,4 milhões previstos para este género de trabalhos na região no triénio 2019-2021.

 

A ETAR do Coimbra tem sido apontada como poluidora. É assim?

A ETAR do Coimbrão é um dos contribuintes efetivos de melhoria da qualidade da água da bacia hidrográfica do rio Lis, apresentando um cumprimento regular da sua licença de descarga, aprovada e monitorizada pela Agência Portuguesa do Ambiente.

Em agosto do ano passado registou-se uma avaria numa das centrífugas da ETAR, tendo a AdCL adquirido equipamentos que procuram conferir uma maior robustez e fiabilidade ao processo de tratamento. Além desta aquisição, destaca-se ainda a empreitada de substituição dos circuitos de gás (biogás) das ETAR do Coimbrão e de Ílhavo, terminada em 2019 após um investimento de 348 mil euros.

 

É a única que trata efluente suinícolas [poluição que também afeta a Batalha]?

A ETAR do Coimbrão é a única infraestrutura do país a receber e tratar efluentes domésticos, suinícolas e lixiviado de aterro, sendo parte da solução ambiental da região há quase 12 anos, para a melhoria da qualidade ambiental, nomeadamente do rio Lis.

O problema dos efluentes suinícolas é vasto, existindo muitos produtores com diferentes práticas. Estima-se um valor superior a 1000m3/diários de produção. A AdCL tem com uma associação de produtores o compromisso para tratar em contínuo 280 m3 por dia.

Para este compromisso, a AdCL fez investimentos, nomeadamente de um novo digestor para a fase sólida para tratamento do excesso de lamas produzidas, assim como melhorou as condições de descarga no ponto de entrega pelos produtores.

 

Mas esse valor nunca foi atingido.

O valor diário nunca foi atingido. No ano de 2018 a ETAR recebeu e tratou 35 mil m3 de efluentes suinícolas e em 2019 o volume foi de 48 mil m3, ou seja, ficou por utilizar 50% da capacidade disponível na ETAR do Coimbrão. No ano de 2020, com os dados até ao momento, esta associação de produtores tem feito chegar para tratamento um valor médio um pouco abaixo de 200 m3/dia.

Sabemos de, e estamos a acompanhar, outras soluções externas à empresa, tal como a construção de ETES (estação de tratamento de efluente suinícola), assim como procuraremos melhorar as condições e o tempo de descarga destes efluentes suinícolas na ETAR do Coimbrão.

 

Na área do abastecimento de água, qual é o papel da AdCL?

A AdCL na região de Leiria é responsável pela captação e tratamento de duas ETA (estações de tratamento de água), abastecendo de água os municípios de Leiria e Ansião, bem como uma pequena parte de Figueiró dos Vinhos.

No abastecimento de água está previsto o investimento de remodelação das captações e ETA da Ribeira de Alge, em Ansião, num montante dois milhões de euros nos anos de 2021 e 2022.

No caso de Leiria, está previsto a construção de um novo furo para captação de água e tratamento de água na ETA do Paul, passando o sistema de seis para sete fontes de água, num investimento aprovado em 3,4 milhões euros. Estão ainda previstas intervenções na própria ETA para tornar o sistema de tratamento mais autónomo e eficiente.

Estas intervenções procuram igualmente que a AdCL consiga fornecer água a todos os munícipes de Leiria, incluindo à freguesia de Maceira.

 

Quais são os resultados dos índices de qualidade?

Nos últimos três anos, a AdCL tem cumprido em 100% a qualidade de água nos dois planos, exceto em 2019 que atingiu 99,85%, devido a um incumprimento no ano.

 

Que campanhas ambientais tem promovido?

Promovemos em todo o território servido pela AdCL, duas campanhas de sensibilização, uma sobre o valor da água. Já a segunda campanha, que teve início em Leiria, tem como objetivo comunicar o saneamento e sensibilizar a população para boas práticas e comportamentos, nomeadamente o que não deve colocar no esgoto e quais as consequências destes atos.

 

Que balanço faz destes cinco anos de vida da AdCL?

A AdCL hoje consegue responder aos desafios de modernização tecnológica, de requalificação de equipamentos e de adaptação a novos requisitos ambientais e aos determinados pelas alterações climáticas, por ter ganho escala de intervenção, capacidade financeira e de engenharia, bem como por melhoria de processos. A empresa tem um volume anual de negócios de 54 milhões de euros e realiza um investimento anual de 12 milhões de euros.

Na região do Lis, o principal marco destes cinco anos foi a inauguração, em 2016, do complexo da Mata do Urso, assinalando a conclusão dos investimentos previstos para o município de Leiria em abastecimento de água, num total de 28,5 milhões de euros, permitindo abastecer os 135 mil habitantes do município.


NESTA SECÇÃO

Executivo assinala aniversário com dinheiro e sedes

O executivo municipal da Batalha assinalou no dia 17 de outubro o terceiro ano de mandato, c...

Autarcas reclamam tratamento da poluição dos porcos

A construção de uma Estação de Tratamento de Efluentes Suinícolas (ETES) para resolver a pol...

Fernando Bastos deixa comando e lidera quadro de honra

O comandante dos Bombeiros Voluntários da Batalha, Fernando Bastos, cessou as suas funções n...