A Opinião de André Loureiro

Presidente do PSD da Batalha

Prestar contas do mandato autárquico

No dia 16 de outubro completaram-se três anos da data de tomada de posse do atual executivo municipal. Se há valores e prioridades que marcam a diferença face ao passado, há também uma cultura democrática que se materializa em diversas ações, incluindo a consciência da necessidade de prestar continuamente contas ao eleitorado e aos cidadãos da Batalha em geral.

É por isso, com especial satisfação, que aproveito este momento para realizar um breve balanço destes três anos de mandato autárquico e projetar o ano que se aproxima e que antecede o próximo momento eleitoral.

A primeira responsabilidade de um eleito é avaliar a execução do projeto político que nos mobiliza, para a todo o tempo compreendermos que ainda há tanto para fazer e ter a humildade de reconhecer os erros e acolher as críticas como estímulos para melhorar o nosso desempenho.

Nesta condição, reconhecer que, pese embora os principais eixos que garantiram a eleição deste executivo municipal, têm sido na íntegra cumpridos, há áreas que podemos fazer mais, em particular em domínios que a pandemia veio revelar que ainda temos fragilidades, como sejam na área dos cuidados de saúde ou no alojamento para famílias mais necessitadas.

Todavia, a um ano do termo do mandato, mais de 80 por cento dos compromissos eleitorais assumidos com os batalhenses estão já cumpridos. Fez-se muito mais do que aquilo a que nos tínhamos comprometido no programa eleitoral, em larga escala em resultado de novas expetativas da população, sobretudo junto dos segmentos da população mais jovem e sénior. Razão porque a autarquia avançou com os projetos da Academia Sénior e da Casa do Conhecimento e da Juventude, dois exemplos de novas respostas que apelam à solidariedade entre gerações e a oportunidade de aprendizagem ao longo da vida.

Na área social e no apoio à educação, lançámos projetos inovadores e que no presente ano assumem um relevo especial, seja no apoio à aquisição de medicamentos e vacinas da gripe para pessoas com mais de 60 anos, seja em medidas de financiamento das famílias na mensalidade da creche e de apoio à natalidade, através do Programa Crescer Mais, ou ainda no lançamento do programa financiamento de livros e cadernos escolares.

Também ajustámos os planos e apoios municipais no sentido de favorecer a reabilitação urbana, a que acrescem projetos de requalificação urbana como o largo da Praça da Fonte no Reguengo do Fetal, o novo parque de eventos junto à zona desportiva da Batalha ou o projeto de regeneração urbana que aprovamos para o centro da Golpilheira.

O ambiente e a mobilidade suave são objetivos estratégicos que marcam este mandato, com novas ecovias em desenvolvimento e a liderança de projetos que reclamam a despoluição do rio Lena ou a valorização das Pedreiras Históricas do Mosteiro da Batalha.

No que se refere à cultura e desporto, mereceu destaque a aposta em redes culturais que associam o património com eventos culturais de excelência. O pavilhão de São Mamede será uma realidade próxima e o alargamento dos percursos pedestres e zonas de lazer são uma aposta deste mandato que agora entra na sua reta final.

Temos a certeza que existem áreas que merecem uma atenção mais cuidada, que o tempo de exceção que vivemos em torno da pandemia da Covid-19 nos exige uma maior atenção em áreas novas como o emprego, o apoio alimentar e a proteção reforçada dos mais frágeis, também é certo que a nossa ambição leva-nos para a exigência de um futuro melhor e mais solidário.

Por esta experiência extraordinária, agradeço ao presidente da câmara, demais eleitos e colaboradores municipais, que através do vosso apoio e empenho, como sempre aconteceu, possamos melhorar a nossa prática do presente e para construir as nossas vitórias futuras. A todos, muito obrigado!


NESTA SECÇÃO

“Colheitas de ano bissexto, cabem todas num cesto”

Nestes meses que passam, e com o observar das culturas, lembro-me de um provérbio popular: “...

A musa inspiradora

No início dos tempos vários foram os astros brilhantes que inspiraram escribas, trovadores e...

A democracia, a economia e os media

“Não devemos dar por adquiridos os valores que definem a nossa União, como liberdades, a dem...