Planta no canto da sala sábado à noite

Tenho uma planta nova no canto da sala. Da minha sala.

Na televisão as notícias falam sobre fogos. Fogos de grandes dimensões que assaltam o país num verão que não tem tido o céu aberto, nem o sol a brilhar, nem um calor abafador. Mas as chamas chegam cá na mesma, trazidas pelo vento que é a única constante em todos os verões. E as golas de proteção contra o fumo dos incêndios são (ou não) inflamáveis.

E o estado avisa para nos abastecermos de combustível nos próximos dias por causa da greve.

Os fogos estão aí e nós temos jerricans de gasolina e golas anti fumo no carro. Depois os jerricans de gasolina vão para dentro de casa e as golas anti fumo também. E o fogo anda aí. Nas florestas e no estado, igualmente inflamado e polémico.

Mas eu não sei nada, porque sou jovem, e os jovens não querem saber do estado, de política, nem pensam no futuro. Principalmente os millenails, essa geração que não tem projetos de vida, nem sai de casa dos pais.

Mas o estado ensina-nos a encher jerricans de gasolina e a ter golas anti fumo em casa. No verão. Com fogos. E o verão nem está a ser tão quente como costume.

E se fosse um verão como o de 2017? E se os jerricans de gasolina estivessem nas aldeias envoltas em floresta e as golas anti fumo estivessem no pescoço dos idosos?

Mas, como digo, sou só uma millennial com uma planta no canto da casa porque fica giro e está na moda. Penso nisto porque escrevo sobre isto, uma ferramenta que até pode não mudar o mundo, mas pode mudar um pensamento.


NESTA SECÇÃO

Os “Pardais” Henriques que prosperam na luta popular

Com a falta de interesse generalizado em discutir as questões estruturais que verdadeirament...

A importância das IPSS e associações e do voluntariado

As IPSS (instituições particulares de solidariedade social) e as associações de bombeiros, d...

As eleições de 6 de outubro enquanto verdadeiro ato de cidadania

No próximo dia 6 de outubro terão lugar as eleições legislativas que levarão a eleição de no...