Carlos Ferreira

Diretor

Peregrinar para ficar mais perto

Quem peregrina, por mais que caminhe, mais fica próximo de si. Quando o Leitor ler esta frase, e se a minha escassa arte de escrita o empurrar para as palavras seguintes, saberá que ando, pela sexta vez, a palmilhar os caminhos de Santiago de Compostela – o Caminho Jacobeu Minhoto Ribeiro, que liga Braga à catedral galega, com início pela geira romana. Há muitas explicações para fazer o Caminho. De Santiago, de Fátima, ou qualquer trilho que a vida nos destine. Mas, estou em crer, a espetacularidade está na desnecessidade de explicar o que nos leva a partir.

É apenas uma vontade ir, de encontrar o inesperado, de saber que há alguém e alguma coisa para além do dia a dia, da rotina que nos consome a razão central de existir: viver. É prosseguir as ilusões dos marinheiros que foram mar dentro ou entoar no peito as canções do homem que só estava bem onde não estava. É fé, é turismo, é natureza, é cultura, é património, é gastronomia. É encontrar em cada albergue peregrinos do mundo e os seus diários contados à volta de uma mesa ou refeição improvisadas. É tudo. - É o mundo e as gentes refletidos num trilho marcado com setas amarelas (ou azuis, ou verdes). É o caminho das estrelas. É o caminho da oca.

Por isto, e sobretudo pelo que as palavras não explicam, parto há seis anos consecutivos. Eu, com uma mochila e um cajado. À procura de poder partir de novo. A Catedral de Santiago, diz- -se, não é o destino, um ponto de chegada; antes é um ponto de partida. É por isso que caminho com vontade de chegar. Porque isso significa partir de novo em breve. Boa leitura. Bom Caminho!


NESTA SECÇÃO

“A Quaresma do deserto não é negação da autoestima”

(…) A nossa Quaresma recorda, não apenas a história de Israel, mas também a história pessoal...

Nª Srª das Candeias e a tradição dos fritos na Freguesia de São Mamede

Diz a tradição popular portuguesa que a 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, s...

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...