José Travaços Santos

Baú da Memória

Patrimónios Preservados (I)

Apesar da sanha destruidora, que apagou do nosso património paroquial diversos templos, e o mais grave dos casos passou-se exactamente na nossa Vila ao arrasar-se a Igreja de Santa Maria-a-Velha, ainda podemos registar exemplos notáveis de preservação, o que é, sem dúvida, motivo do maior orgulho para as respectivas populações. Na Golpilheira conservam-se dois templos, um deles datando de meados do século XV que primitivamente teve a invocação de Jesus e agora tem a do Senhor dos Aflitos, cuja imagem se reproduz, e o de São Bento erguido onde existia, já em 1211 o da invocação de São Leonardo, no lugar da Cividade, topónimo expressivo a designar origem romana, nas Brancas a seiscentista ermida de Nossa Senhora da Conceição que, informa “O Couseiro”, foi construída “no mesmo sítio onde existiu outra muito antiga e pequena”, na Faniqueira a de Santo Antão, guardiã do precioso retábulo cuja datação, entre o século XIV e o século XV, é motivo de análise pelos historiadores, dizendo o Professor Doutor Pedro Dias que a valiosa peça resultou duma encomenda da duquesa de Borgonha, D. Isabel, filha de D. João I e de D. Filipa de Lencastre e não da captura ao exército castelhano derrotado na batalha real de Aljubarrota, a de Santa Maria Madalena, datada de 1571 e agora integrada no espaço do cemitério municipal, a de São João Baptista na Quinta do Sobrado, mais recente mas com interesse documental. E, evidentemente, na Vila, para além do Mosteiro e da Igreja Matriz, monumentos nacionais, a capela da Santa Casa da Misericórdia, datada do século XVIII, cujo altar tem um admirável retábulo de madeira policromada, e a capela, quase rústica mas muito significativa, de Nossa Senhora do Caminho (embora a imagem do seu altar seja a da Senhora da Consolação). Na Quinta da Várzea, cuja desclassificação ainda está por explicar, a capela de São Gonçalo, invocação rara senão única na região, em estado de degradação mas que, creio, ainda está de pé.

É imprescindível que as populações continuem a preocupar-se com estes seus patrimónios, que devem transmitir intactos às novas gerações, e a assumir, corajosamente, os primeiros lugares na sua defesa.

No próximo número referirei os templos das restantes paróquias do nosso Concelho.


NESTA SECÇÃO

Música fácil, mas só na aparência

Muito em voga nas décadas de cinquenta e sessenta do século XX, o Easy listening, também con...

Gestão pública e orçamentos

Estamos em época de aprovação de orçamentos, quer do Estado, quer das autarquias. Como já...

Uma horta biológica também precisa de ser “alimentada”

O outono e, para mim, como se nos convidasse ao recolhimento e este ano até é “obrigatório” ...