A Opinião de Filipe Ligeiro Silva

Estudante universitário

Pandemia ditará o futuro próximo

Os últimos 30 anos foram uma época de enormes mudanças, tanto no mundo como, em particular, na nossa região. A minha expetativa para os próximos anos é a de que esta mudança que sempre nos acompanhou continue.

O advento da geração digital que presenciamos atualmente, em que tudo está à distância de um toque/clique, foi o culminar dos últimos anos de desenvolvimento tecnológico e científico, o que nos permite ter um computador no bolso das calças e falar com pessoas do outro lado do mundo.

Este também serve como fator atenuante da mais recente pandemia, que julgo ser o evento que ditará o futuro próximo, enquanto uma solução efetiva (como uma vacina) não for encontrada. Os próximos anos serão estranhos para todos nós: o medo de cumprimentar as pessoas, de interagir com elas, vai contra a nossa própria existência, que se baseia em relações interpessoais, na vida em comunidade. Teremos de adaptar toda a nossa estrutura social para a nova realidade em que nos encontramos, e habituar-nos a novos problemas que originam desta (como por exemplo, gerir lazer e trabalho, quando ambos são realizados no mesmo local).

O futuro é bastante imprevisível, e o ano corrente provou-nos isso. Nestes últimos meses, todos passámos por algo que nunca nos tinha acontecido. Vimos o que mais tomávamos por garantido arrancado das nossas mãos, e o problema ainda está longe de acabar. No entanto, mantenho a esperança; e acredito que o desenvolvimento tecnológico e científico, que nos trouxe até onde estamos hoje, nos permitirá sair desta situação mais preparados para o que virá daí para a frente.


NESTA SECÇÃO

Infante D. Henrique, o Navegador

A 4 de março de 1394, nasceu, no Porto, o Infante prodígio da Ínclita Geração: D. Henrique, ...

Todos os seres vivos morrem

Agora que a pandemia nos atingiu seriamente, muito se fala do número de óbitos existentes a ...

Saga Feérica no Reino da Dinamarca

O sol escaldante do Verão anunciava aos arautos da arte dinamarquesa que podiam sair de casa...