Carlos Ferreira

Editorial

As palavras dos outros

O tempo que passa leva-nos em busca de novas palavras para dizermos de novo o que já foi dito, ano após ano, alinhando ideias impossíveis de descrever, que a arte (pouca) não nos serve para tanto. Há sempre alguém que diz melhor. Um poeta. Obrigado aos Leitores, Anunciantes e Colaboradores que nos acompanharam este ano. A todos desejo um Santo Natal e um Ano Novo repleto de saúde.

 

Quando um homem quiser

 

Tu que dormes à noite na calçada do relento

numa cama de chuva com lençóis feitos de vento

tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento

és meu irmão, amigo, és meu irmão

 

E tu que dormes só o pesadelo do ciúme

numa cama de raiva com lençóis feitos de lume

e sofres o Natal da solidão sem um queixume

és meu irmão, amigo, és meu irmão

 

Natal é em dezembro

mas em maio pode ser

Natal é em setembro

é quando um homem quiser

Natal é quando nasce

uma vida a amanhecer

Natal é sempre o fruto

que há no ventre da mulher

 

Tu que inventas ternura e brinquedos para dar

tu que inventas bonecas e comboios de luar

e mentes ao teu filho por não os poderes comprar

és meu irmão, amigo, és meu irmão

 

E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei

fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei

pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei

és meu irmão, amigo, és meu irmão

 

Ary dos Santos

em “As palavras das cantigas”

 

 

 


NESTA SECÇÃO

Nª Srª das Candeias e a tradição dos fritos na Freguesia de São Mamede

Diz a tradição popular portuguesa que a 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, s...

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...

Fumeiro e legumes cozidos qual é o resultado?

Com este tempo de chuva e cinzento só apetece comida quente de tacho como o cozido à portugu...