A Opinião de António Lucas

Ex-presidente do Município da Batalha

Orçamentos municipais

Foram recentemente aprovados os orçamentos das câmaras para o ano de 2022, documentos fundamentais para a gestão autárquica, com impacto direto na vida de todos os munícipes.

Nos casos em que os executivos tiveram mudanças significativas, como é o caso da Batalha, o orçamento de 2022 será muito mais um orçamento de encaixe dos projetos, dividas e eventuais receitas a cobrar, vindas de trás, do que um orçamento à imagem e semelhança dos novos eleitos, mormente em sede de transposição dos projetos assumidos em campanha eleitoral.

Sendo assim, um dos desafios dos novos eleitos será explicar muito bem aos munícipes as razões das opções tomadas e o grau de dependência do orçamento em relação ao passado. Uma das primeiras responsabilidades de quem gere dinheiros públicos é a prestação de contas, de forma clara e objetiva.

Um outro aspeto fundamental será demonstrar claramente que se cumpre com os compromissos assumidos, mormente em sede de poupança de recursos , fazendo mais, com menos. É preciso tempo para que se possa demonstrar isto, mas essa demonstração tem que ser efetuada e para correr bem essa gestão pela diferença tem que começar logo desde o inicio do mandato.

O Movimento Independente vencedor das eleições na Batalha assumiu o forte compromisso de falar pouco e trabalhar muito, de gastar menos e fazer mais, de racionalizar e respeitar os funcionários municipais e de corrigir trajetórias erradas implementadas anteriormente.

Já se percebeu que a situação não é famosa a diversos níveis, com milhares de processos por tratar, mas ainda não se concluiu a auditoria às contas, para se ter a real situação financeira e para ser possível prestar contas sobre esse importante compromisso eleitoral.

Foi-nos dado um forte voto de confiança pelos eleitores Batalhenses, que representa uma enorme responsabilidade e cuja confiança temos que garantir e jamais deixar defraudar. Logo, temos que fazer melhor e sermos melhores, foi isso que o povo fez e foi isso que o povo disse nas urnas.

Estas transições demoram sempre algum tempo e alguma adaptação, tempo esse que pedimos para que possamos demonstrar inequivocamente que iremos sem qualquer dúvida fazer muito mais e muito melhor.


NESTA SECÇÃO

Há mais vida para além do mosteiro…

Está adaptação da conhecida citação atribuída ao ex-presidente Jorge Sampaio – “há mais vida...

Transferência de competências do poder central para o local

Por princípio e por experiência, sou favorável a todas as diligências que permitam prestar s...

Sem medos

Caro/a (s) Munícipes da Batalha, permitam-me que comece este artigo citando aqui a grande mu...