Francisco Oliveira Simões (Historiador)

Crónicas do Passado

Ode Clássica dos Fantasmas Imemoriais

A presente narrativa continua a epopeia deste humilde cronista pelo ano de 1935, que havia sido deixada a meio, por vicissitudes várias, no mês de Junho de 2020.

O meu comboio saía do cais em marcha fúnebre, ao som da lira da tragédia grega, deixando a bela e renascentista Florença para trás. Naquelas ruelas e arcadas derramou-se todo o meu amor e esperança. Olhava pesadamente pela janela, a contemplar tanta paisagem idílica, digna de um fresco romano. Os carris findavam em território italiano e deslizavam para solo franco.

Refugiava-me na literatura que trazia sempre debaixo do braço, neste caso, o meu refugiu era um livro de Daphne du Maurier, “The Scapegoat”, mas apercebi-me que estava a sofrer de anacronismo compulsivo. É que aquele marco literário foi publicado 22 anos depois do ano onde me encontrava. A história relatava as aventuras e peripécias de um jovem professor de História Medieval, da Universidade de Oxford, por terras de França. Escondi apressadamente o livro e desencantei um exemplar da “Odisseia”, é sempre deslumbrante reler Homero.

A viagem prosseguia sem grandes sobressaltos, para além daqueles que a minha alma inquieta inventava. No meio da leitura compulsiva, senti que alguém se sentava a meu lado.

- Continue a ler e finja que não me viu!

- É o que estou a fazer – respondi ao desconhecido, sem nunca tirar os olhos das páginas.

- Vou passar-lhe um bilhete da parte da HELENA.

Peguei no papel imaculado e abriu-o. Continha uma mensagem do Álvaro de Campos, que rezava desta forma:

“Caro amigo, Francisco,

Pedi ao nosso colaborador Henri-Alban Fournier, que viaja incógnito, para lhe entregar esta mensagem de extrema importância para a nossa causa literária. Sabemos que irá estar presente na soirée intelectual na mansão do Sr. Waugh e precisamos de estar lá custe o que custar. Só queremos que nos ajude a infiltrar na casa e depois nós tratamos o resto. Estarei à sua espera no número 221B da Baker Street, levo sobretudo cinzento e olhar enigmático.

 

Cumprimentos do seu amigo e superior hierárquico,

Álvaro de Campos”

- O Senhor é Henri-Alban Fournier? – perguntei eu, dobrando a missiva.

- Ninguém sabe que eu sobrevivi à Grande Guerra e espero que continuem sem saber – respondeu o escritor francês.

- Pode ficar descansado, eu nunca contarei o seu segredo.

- Assim o espero, caro amigo.

Durante o resto da viagem tinha tantas perguntas para fazer a este poeta e romancista que tanto admiro, mas preferi remeter-me ao silêncio da leitura, porque Henri estava incógnito e desejava manter essa capa de invisibilidade sobre os seus ombros.

Passados uns dias, chegámos a Londres e fomos à morada indicada por Álvaro de Campos. A noite precipitava a sua aparição.

- Ah! Sejam bem aparecidos, nobres membros da HELENA – cumprimentava Álvaro.

- Boa noite, Álvaro! Já não o via há uns tempos. O que é feito de si? – perguntei com entusiasmo.

- Fui enviado para Londres, a fim de angariar novos membros influentes para a causa da HELENA – informava, acendendo um cigarro.

- E precisa de mim nessa altruísta missão?

- Francisco, não pode viver apenas dos seus artigos e contos, anseia por um propósito maior.

- Quem é que precisa de conhecer no sarau de Evelyn Waugh?

- Ora, o Sr. Greene, diplomata e espião.

- Para além de um grande romancista – completei a enumeração de virtudes de Graham Greene.

- E isso também. Sei que o conheceu há uns tempos no Hotel Savoy.

- É um facto.

- Nós acompanhamo-lo à festa, o que me diz? – disse Henri.

- Será um enorme prazer apresentar tão excelsos génios literários à intelectualidade britânica.

Entrámos no Bentley, mais um carro novo em folha do Álvaro de Campos, e arrancámos a toda a brida para a tão aguardada soirée.


NESTA SECÇÃO

“A Quaresma do deserto não é negação da autoestima”

(…) A nossa Quaresma recorda, não apenas a história de Israel, mas também a história pessoal...

Nª Srª das Candeias e a tradição dos fritos na Freguesia de São Mamede

Diz a tradição popular portuguesa que a 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, s...

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...