João Pedro Matos

Tesouros da Música Portuguesa

O sexto sentido da Sétima Legião

Se outra razão não houvesse, a Sétima Legião teria sempre um lugar entre os imortais da música portuguesa, por causa de algumas canções que deu à luz, entre as quais se encontram Sete Mares, Tão Só e Por Quem Não Esqueci. Constituída por Rodrigo Leão, Pedro Oliveira, Gabriel Gomes, Paulo Marinho, Ricardo Camacho, Francisco Menezes, Paulo Abelho e Nuno Cruz, a Sétima Legião soube aproveitar a sinergia de tão numeroso grupo para esmerar-se no que resultava da gravação em disco e que ficava cada vez mais apurado, de álbum para álbum. Assim, na sua génese encontramos o single Glória, datado de 1982, o qual se aproxima das sonoridades de Manchester e de projetos lendários como a Joy Division ou os Durutti Column. Comparações à parte, rapidamente torna-se igual a si própria ao incorporar elementos da música tradicional portuguesa e amiúde recorrendo ao bombo, ao adufe e à gaita de foles. Isso mesmo verifica-se no álbum A Um Deus Desconhecido de 1984 e, três anos mais tarde, em Mar de Outubro, neste último disco valendo-se também da concertina de Gabriel Gomes.

O grande sucesso comercial da banda chegaria em 1989 com a edição do longa duração De Um Tempo Ausente. Porto Santo, Navegar e, principalmente, Por Quem Não Esqueci foram tocadas nas rádios até à exaustão e contribuíram para que o grupo ganhasse toda uma nova legião de fãs. À margem da divulgação na rádio e das tabelas de vendas, ficou Ascensão, tema belíssimo onde pontificavam as vozes de Teresa Salgueiro e de Francisco Ribeiro.

No ano de 1992 chega aos escaparates o sucessor de Um Tempo Ausente. Sem ter a mesma ambição de escalar as tabelas de vendas, O Fogo continha motivos suficientes para chamar a atenção dos amantes da música moderna portuguesa e esses motivos chamavam-se A Norte do Mundo (com direito a teledisco), Os Dias do Futuro, A Voz do Deserto e Tão Só.       

Depois, foi necessário esperar sete anos para aparecer um novo disco, mas valeria a pena a espera. Receberia o nome de Sexto Sentido e seria o derradeiro trabalho de originais da Sétima Legião, que encerraria a sua carreira com chave de ouro. Sexto Sentido abriu pistas para o novo milénio que então se aproximava, usando programações de computador, sintetizadores e samplers (amostras de sons) para dar uma nova roupagem a gravações de canções do Portugal profundo, recolhas muitas delas efetuadas pelo Prof. Ernesto Veiga de Oliveira. Entres os samplers contavam-se A Ceifa de Idanha, A Ceifa de São Pedro do Sul, a Lavra de Évora, A Ceifa de Vimioso, A Lavra de Torres Vedras e ainda gravações de música tradicional da Madeira.

Recebido friamente pela crítica, que talvez esperasse um novo álbum de rock, Sexto Sentido conseguiu a proeza de vender mais no estrangeiro do que dentro do país. Não foi só pela tecnologia utilizada. O último disco da Sétima Legião é um tratado de música popular portuguesa vestido com roupagem futurista, e trata esse manancial de tradição com imenso respeito, dir-se-ia até com veneração. Porque este disco sempre esteve na origem da autenticidade do grupo, não admira que as vozes resultantes de recolhas de música popular substituam o vocalista da banda na maior parte das canções. É o fim do caminho para este coletivo que seguiu sempre um trajeto singular, construído entre a gravidade das bandas de Manchester e a euforia das terras de Trás-os-Montes, como se ambas estivessem próximas. Sexto Sentido marca o término desse caminho. Aqui a modernidade abraça toda a tradição de um país, o país de uma banda que começou, naturalmente, na Fundação Atlântica.

 

                                                                                                               


NESTA SECÇÃO

Programa de Estabilização Económica e Social

Reforço do SNS Recuperação da atividade assistencial, através de incentivos financeiros a...

A pobreza e a exclusão da Covid-19

Verificou-se durante os anos de crise nacional, conhecidos pelos anos da Troika, que aumento...

Estranhos tempos estes

Quem diria há três ou quatro meses que estaríamos tanto tempo confinados às nossas casas em ...