Carlos Ferreira

Diretor

O nosso pódio não somos nós

Nos tempos que correm, em que quase tudo é volátil e é mais fácil vender uma mentira (não digam, por favor, notícias falsas, porque isso não existe) do que uma notícia, a minha primeira palavra deste último texto deste ano não poderia deixar de ser dirigida aos nossos Colaboradores.

A todos eles que, ao longo destas 12 edições escreveram no Jornal da Batalha, sempre pro bono, quiçá abdicando de momentos de descanso, para corresponderem com os seus artigos à sã curiosidade dos nossos Leitores, muito obrigado!

Àqueles que continuaram a investir em publicidade no nosso jornal, contribuindo para a sua subsistência, perante as dificuldades que os media atravessam e que todos conhecem, um igual agradecimento. Aos nossos Anunciantes e às suas famílias desejo que o sucesso lhes continue a dar as mãos.

Em terceiro lugar, mas não menos importante neste pódio, uma palavra – afinal a nossa mais preciosa matéria prima – dirigida aos nossos Leitores, que encerra também o desejo de podermos continuar juntos em 2019: obrigado!

Não é possível corresponder às expetativas de todos sempre. Mas é possível trabalhar mais na persecução desse objetivo. É esse o nosso compromisso. É isso que faremos, assim nos ajudem Leitores, Colaboradores e Anunciantes.

Feliz Natal e bom Ano Novo.


NESTA SECÇÃO

Gestão e serviço público

Os serviços públicos existem para manter as sociedades organizadas, tendo a obrigação de dis...

As singularidades da alma

O grupo Expensive Soul constitui um daqueles casos de eclectismo da música, havendo recebido...

Tomate, uma fruta ou vegetal?

Em termos botânicos é considerada fruta porque surge da parte reprodutiva da flor onde as se...