Carlos Ferreira

Diretor

O nosso pódio não somos nós

Nos tempos que correm, em que quase tudo é volátil e é mais fácil vender uma mentira (não digam, por favor, notícias falsas, porque isso não existe) do que uma notícia, a minha primeira palavra deste último texto deste ano não poderia deixar de ser dirigida aos nossos Colaboradores.

A todos eles que, ao longo destas 12 edições escreveram no Jornal da Batalha, sempre pro bono, quiçá abdicando de momentos de descanso, para corresponderem com os seus artigos à sã curiosidade dos nossos Leitores, muito obrigado!

Àqueles que continuaram a investir em publicidade no nosso jornal, contribuindo para a sua subsistência, perante as dificuldades que os media atravessam e que todos conhecem, um igual agradecimento. Aos nossos Anunciantes e às suas famílias desejo que o sucesso lhes continue a dar as mãos.

Em terceiro lugar, mas não menos importante neste pódio, uma palavra – afinal a nossa mais preciosa matéria prima – dirigida aos nossos Leitores, que encerra também o desejo de podermos continuar juntos em 2019: obrigado!

Não é possível corresponder às expetativas de todos sempre. Mas é possível trabalhar mais na persecução desse objetivo. É esse o nosso compromisso. É isso que faremos, assim nos ajudem Leitores, Colaboradores e Anunciantes.

Feliz Natal e bom Ano Novo.


NESTA SECÇÃO

“A Quaresma do deserto não é negação da autoestima”

(…) A nossa Quaresma recorda, não apenas a história de Israel, mas também a história pessoal...

Nª Srª das Candeias e a tradição dos fritos na Freguesia de São Mamede

Diz a tradição popular portuguesa que a 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, s...

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...