Joana Magalhães

Pestanas que falam

O Natal são os doces da avó

Natal é sinónimo de reunião. Reunião da família. Reunião dos amigos. É a altura do ano em que nos lembramos de todas as pessoas queridas que, ao longo do ano, estiveram ao nosso lado e permitiram de alguma forma que chegassemos ao fim.

Do Natal, a memória mais querida de infância que tenho é a bancada da cozinha de casa da avó cheia de doces, mesmo naquela quantidade que parece industrial, mas que depois se reflete sempre o fundo do prato. É o cheirinho a aletria acabada de fazer e a bolo de iogurte. São aquelas filhoses crocantes que já toda a gente está a comer ainda antes do bacalhau. Em casa da minha avó são também as bolas de chocolate na árvore de Natal, aquelas que só se podem comer no dia 25 e não no dia 24 mas que eu, juntamente com o meu irmão, comíamos às escondidas. Era isso e a espera até à 00h00, hora em que o meu tio permitia que as prendas fossem distribuídas e abertas. Que sofrimento que era esperar. "Tio, falta muito?!". Depois era chegar a casa, vestir o pijama e ver com os meus pais um filme de Natal com as prendas em montinho no chão. Sim, porque o Kevin todos os anos é deixado sozinho em casa e o Grinch nunca chegou a roubar verdadeiramente o Natal. Essas são as memórias quentinhas e cheirosas de quando era criança.

Hoje tudo isso continua igual. E ainda bem. Só que hoje há mais doces, porque não pode faltar um bolo rei clássico e um de chocolate da "sogra". Há mais amigos secretos e alguns dos embrulhos debaixo da árvore eu já sei o que têm, porque os comprei. Este ano há também um novo membro na família, um felino, que também terá direito às suas prendas. Mas a base do Natal mantém-se. Os doces da avó, o rigor do tio e o filme com os pais e o irmão. Embora o Natal hoje seja mais do que os doces (até porque a barriga já não aguenta como antigamente) e seja, também, mais do que as prendas. O Natal hoje é a família e são os amigos. É colocar em perspetiva todo o ano que passou e olhar para as pessoas que nos acompanharam como a melhor prenda que poderíamos ter tido. Numa altura em que tudo muda, tão rápido, e tão instantaneamente, o Natal é olhar para o lado e ver os outros e agradecer por os outros, tal como nós, ainda lá estarem.

Este Natal espero que o Kevin continue a ser deixado sozinho e casa, que o Grinch não roube o Natal, que a casa cheire a doces da avó e que o meu tio só deixe abrir as prendas às 00h00. Mas ainda mais do que isso, espero que estejamos todos reunidos, os que cá estão e os que já não podem estar e que nos lembremos que para o ano vai ser tudo igual.


NESTA SECÇÃO

Mês em branco

Este mês não tenho tema. Não há uma situação caricata. Não há uma crítica. Não há uma reflex...

Serviço Nacional de Saúde

O SNS é sem margem para dúvidas o serviço mais importante e sensível que o nosso Estado, em ...

A arte urbana de Sam The Kid

Ao longo da História, a humanidade foi atraída para as grandes cidades, formando núcleos pop...