Cristiana Miguel

Médica Interna de MGF USF Condestável – Centro de Saúde da Batalha

O Natal e o colesterol – As questões mais comuns

A quadra mais iluminada do ano está mesmo à porta e todos sabemos que se trata de um período em que há, invariavelmente, algum abuso no que respeita à alimentação. Por um lado, o tempo mais frio apela a comidas mais caseiras e quentes; por outro, o maior número de convívios nesta quadra faz com que passemos grande parte de dezembro reunidos à mesa com amigos e familiares.

É bem possível que, se tiver análises para fazer nos próximos tempos, o médico tenha recomendado fazê-las antes do Natal. E a verdade é que isto tem uma razão, ora vejamos:

 

O Natal está associado a um aumento do colesterol e dos triglicerídeos?

Sim, havendo inclusivamente um artigo dinamarquês publicado no ano passado que o demonstrou! Os níveis de colesterol total, colesterol LDL (o chamado “colesterol mau”), e de triglicerídeos tendem a aumentar no mês de Dezembro, baixando depois a partir de Janeiro – dever-se-á esta descida às chamadas “resoluções de ano novo”?

Quais os alimentos que contribuem para um maior aumento do colesterol?

Os principais responsáveis pelo aumento do colesterol são as gorduras saturadas. Entre estas encontramos, por exemplo, a carne de vaca mais gorda, a carne de cordeiro e de porco, a pele das aves, o toucinho, a manteiga e o queijo. Os alimentos fritos também fazem parte deste grupo, pelo que não convém exagerar nas tradicionais filhós e rabanadas. Como alternativa, pode fazer estas últimas no forno.

Deve-se optar por alimentos mais ricos em fibra, dando mais importância à fruta e aos vegetais e preferindo também o peixe – assim, o bacalhau e a couve cozida podem e devem manter o seu lugar na mesa de Natal!

 

Então e os doces? Se não sou diabético, posso comê-los à vontade?

Pois, infelizmente não é bem assim. Os doces, habitualmente com grandes quantidades de hidratos de carbono, contribuem maioritariamente para um aumento nos triglicerídeos, pelo que devem ser consumidos em moderação. Para além disso, sabe-se que também reduzem o colesterol HDL (o chamado “colesterol bom”).

Em suma, não há motivo para não aproveitarmos o convívio habitual da época natalícia e provar uma ou outra iguaria, desde que tenhamos noção dos alimentos que devem ser consumidos em moderação.

Desejos de um Bom Natal por parte de toda a USF Condestável!


NESTA SECÇÃO

Covid-19. Centro de saúde precisa de máscaras e viseiras de proteção

“Caros utentes, Como já podem ter ouvido nas notícias, o material de proteção para prof...

"Todos em risco de ter um familiar, amigo e conhecido infetado"

Comunicado da Santa Casa da Misericórdia da Batalha: "Estimados Colaboradores, Enfre...

Um olhar sobre a Fibromialgia

A Fibromialgia é uma doença crónica e flutuante que se carateriza por dor musculoesquelética...