A Opinião de Horácio Moita Francisco

Vereador do CDS/PP

O futuro muda todas as vezes que nos voltamos ou olhamos na sua direção

Há 30 anos estava e vivia na Batalha. Contudo, devido à minha actividade profissional, de gestor de empresas, consultor e auditor externo do DAFS e do IAPMEI e de gestor e liquidatário judicial, hoje denominado administrador judicial, repartia o tempo pelo meu escritório em Lisboa, as instituições, tribunais e um pouco pelo país de norte a sul.

É problemático decifrarmos as mudanças para os próximos 30 anos, dado que o futuro muda todas as vezes que nos voltamos ou olhamos na sua direção, razão pela qual fazer futurismo é um exercício de risco, tornando-se ainda mais complexo quando olhamos, a nível global, para a pandemia da Covid19, que nos levou a uma das maiores crises sociais e económicas do pós 25 de abril.

Mas, diga-se, nesta denominada democracia, embora a data envolva algum atributo histórico, salvo o devido respeito, a envolvente social e económica a nível local e no nosso país, conforme dizia Marcelo Caetano: “Em poucas décadas reduziu-nos à indigência, ou seja, à caridade de outras nações pelo que é ridículo continuar a falar de independência nacional. Vimos alçados ao poder, pessoal do avental, na sua grande maioria, analfabetos, meninos mimados, escroques de toda a espécies que conhecemos de longa data. Dizia ainda, que a maioria não servia para criados de quarto e chegam a presidentes de câmara, deputados, administradores, ministros e até a presidentes da República”. Obviamente tinha razão.

Considerando estes factores, a estratégia, no meu modesto entender, deverá em primeiro lugar, passar por termos políticos e governantes mais sérios, sem demagogias e hipocrisias. Depois, os próximos 30 anos terão de ser alicerçados num plano de recuperação nacional económico específico, em reformas de investimentos, em reformas prioritárias; conscientes nas vertentes da valorização do ser humano, educação, cultura, social, saúde, económica, produção interna, industrialização, agricultura, ambiental - nomeadamente nos campos das energias do hidrogénio e do magnético – e digitalização, ao serviço de todos os portugueses e não dos lobbys do betão e da finança.

Este período chamado de desconfinamento Covid-19 vai levar-nos à beira da maior crise social e económica das últimas décadas, razão pela qual as prioridades para os próximos 30 anos, no nosso concelho, a nível estratégico, social, económico e político, passarão no meu modesto entender por termos o nosso concelho, para além do potencial do turismo, assente em três pilares fundamentais:

a) Termos um poder político local assente nos quatro princípios HMF, o que de todo, desde de 2013, infelizmente não temos tido. Em vez disso, estamos perante um regime antidemocrático do eu quero, posso e mando, sem qualquer respeito, quer pela maioria dos munícipes, quer pela oposição;

b) Termos a elaboração de um plano de desenvolvimento sustentado transversal, conjuntamente com o tecido social, económico e empresarial local em torno da recuperação dos estragos desta crise, social, económica, financeira e empresarial, aproveitando muito bem todos as frentes dos próximos quadros comunitários que serão cada vez mais reduzidos;

c) Termos a conclusão do saneamento básico em todo o concelho, melhoramento e requalificação de rede viária nas diversas freguesias, reflorestação efetiva das diversas zonas e seu ordenamento; conservação dos recursos hídricos; recuperação paisagística das pedreiras abandonadas e monitorização das actuais; eliminação de focos de poluição atmosférica, crescimento equilibrado do território, apoiado num plano de pormenor que resolva os constrangimentos deste PDM e que potencie o ordenamento dos espaços urbanos, industriais, florestais, agrícolas, ambientais e ecológicos, pois não desejo um crescimento desproporcionado de espaços urbanos ou industriais, que privilegie apenas o interesse de alguns e que condicione irremediavelmente o futuro.


NESTA SECÇÃO

“A Quaresma do deserto não é negação da autoestima”

(…) A nossa Quaresma recorda, não apenas a história de Israel, mas também a história pessoal...

Nª Srª das Candeias e a tradição dos fritos na Freguesia de São Mamede

Diz a tradição popular portuguesa que a 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, s...

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...