Francisco Oliveira Simões (Historiador)

Crónicas do passado

O Embuçado

Os nossos intrépidos heróis faziam um percurso incrível por terras muçulmanas da Andaluzia, comandados pelo Mestre D. Paio Peres Correia. Rumo a Sevilha, onde iriam montar o cerco, frente aos almóadas. O que aqui vos transcrevo são as memórias redigidas pelo escudeiro de D. Pero Martins de Macedo, o Raimundo. Nesta amena conversa discutia-se a existência do ser e a vida em busca da verdade absoluta. Como dizia Jean-Jacques Rousseau o homem nasce...

 

Raimundo - Já te calavas, o relato é meu, não teu, queres ganhar mérito à minha conta?

Desculpe, não foi minha intenção causar contratempos entre nós.

Raimundo - Desta vez passa. Vá conta lá a aventura daqueles dois.

 

Vou começar a narrar-vos a história mui célebre daqueles dois solenes cavaleiros.

 

D. Pero - Já se comia qualquer coisa.

D. Mendo - Sim uma coisa leve, só para matar a fome.

D. Pero - Que tal um leitão?

D. Mendo - Concordo. É um prato frugal.

D. Paio - Vocês acabaram de comer, não vamos andar sempre a parar e a acampar, senão nunca mais chegamos a Sevilha.

D. Pero - Olhe não quero saber, eu vou caçar. Se o Senhor não tem fome o problema é seu.

D. Mendo - Sim o Senhor D. Pero tem toda a razão.

 

E assim partiram estes dois valentes cavaleiros em busca do jantar. Apesar dos apelos do comandante D. Paio Peres Correia, que prosseguiu a sua viagem sem olhar para trás.

 

Raimundo - Senhor D. Pero vejo além uma fogueira com homens e cavalos ao seu redor.

D. Pero - Não sejas ridículo, não vamos interromper aqueles nobres senhores.

Raimundo - Mas são mouros Meu Senhor.

D. Pero - Não são nada. Só por usarem turbante?

D. Mendo - Vou lá falar com eles.

Raimundo – Senhor, tenhais cuidado!

D. Pero - Está calado seu insolente.

D. Mendo - Os senhores davam-nos a honra de nos juntarmos a vós e dividirem o vosso repasto com estes nobres cavaleiros cristãos.

 

Ouvindo estas palavras mágicas, os muçulmanos prenderam os três cavaleiros, sob o som dos seus gritos de vitória.

 

Raimundo - Eu avisei...

D. Pero - D. Mendo quando regressarmos lembra-me de pôr este imbecil nos calabouços.

 

Quando ninguém esperava apareceu um cavaleiro embuçado, que de espada em riste matou com destreza todos os infiéis. E desamarrou os nossos ilustres cavaleiros.

 

D. Mendo - Olha muito obrigado pela tua ajuda, mas claro que nós nos safávamos sozinhos. Não és nada mau para um principiante, sim senhor.

D. Pero - Bem vamos comer estes petiscos que nos deixaram. Eu vou já despachar um javali.

 

D. Mendo – Ah sacrilégio. Não há nada de porco nem leitão. Estes mouros não sabem o que é bom.

Raimundo - Desculpem Senhores, mas ninguém se pergunta quem é o sujeito que nos ajudou?

D. Pero - Pois é, que indelicadeza, quer uma perna de frango para dar ao dente?

 

Neste momento o embuçado retira o capuz, ou o capelo, revelando o seu rosto. Era El Rei de Portugal. Isto até me lembra um fado qualquer.

 

D. Mendo - Agora sim, está tudo às claras. Vá sente-se aqui no chão e petisque connosco.

Raimundo - É El Rei D. Sancho II.

D. Pero - Claro que é e eu sou o Papa Inocêncio IV. Raimundo deixa de ser jogral e come.

D. Sancho II - Como podem vós duvidar que sou El Rei de Portugal.

 

Os dois nobres ajoelham-se e tecem-lhe elogios.

 

D. Mendo - Vossa Alteza é vitoriosa e fiel ao Deus altíssimo, já agora estava de olho numas terras lá para os lados do Minho.

D. Sancho II - De mim não terão nada seus gananciosos.

D. Pero - É da maneiro que defendo o seu irmão D. Afonso, nunca gostei de Vossa Alteza.

D. Sancho II - Vós sois a escória do Mui Nobre Reino de Portugal.

 

Dizendo estas palavras montou o seu cavalo e partiu para Toledo, onde estava a sua corte durante a guerra civil com o irmão D. Afonso. Entretanto D. Paio Peres Correia conseguiu alcançar os seus três cavaleiros.

 

D. Paio - Finalmente vos encontro.

D. Mendo - Aqui vos entregamos os corpos destes desleais sarracenos, que jazem na nossa terra cristã imaculada. Matámo-los com a espada dos justos, sob os seus gritos de misericórdia.

Ao mesmo tempo que todos se debruçavam para prestar homenagem aos dois nobres heroicos e destemidos, D. Pero tapava a boca do seu sempre leal escudeiro, que esbracejava.


NESTA SECÇÃO

“A Quaresma do deserto não é negação da autoestima”

(…) A nossa Quaresma recorda, não apenas a história de Israel, mas também a história pessoal...

Nª Srª das Candeias e a tradição dos fritos na Freguesia de São Mamede

Diz a tradição popular portuguesa que a 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, s...

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...