Francisco André Santos

Diacrónicas

O direito a desafiar

A abstenção é um dos maiores problemas da democracia. Mas por todos esses países democráticos em que vivi, encontrei sempre a mesma queixa: Nós, nação cor-de-burro-quando-foge gostamos muito de nos queixar. Mas a obstinação da abstenção transcende nação e rima com ladrar. Se bem que o direito a queixar advém do direito de pensar, nem tudo é normativo. Referendos, petições, greves, eleições primárias, eleições secundárias e comícios partidários são todos direitos participativos. Acrescem os direitos do estado novo, de ir à missa e ir ver a bola, protagonizado por instituições milenares e de milhares. Existem aqui todo um conjunto de normas que normalizam o Português, mas nada de anormal. Achámos o boletim de voto e achamos bem que se batam palmas e que rujam os tambores.

E até que nos podemos abster disto tudo, mas votamos. E quando vivíamos sem o programa Polis, havia pensadores maiores sobre a cidade. Que julgavam a política como sendo os assuntos da cidade e que cabia aos cidadãos emancipados decidir. Será por isso a cidadania o direito de se decidir? Neste manipular de ideias, desafio o leitor a não se abster de pensar com estas linhas: o que pensa e o que decide nos assuntos da cidade? E o que tem o leitor de decidir? Aventuro-me na mundanidade média: tem tempo de decidir? À falta de tempo e dinheiro para decidir, que lhe sobre a saúde, finita no tempo. Será a paciência, finita na queixa?

A verdade é que quem decide melhor, não é quem se queixa, é quem faz. O principio Europeu da Subsidiariedade defende que qualquer assunto deverá ser resolvido pelo nível de autoridade mais imediato. Entenda-se que não é de Bruxelas que se deve decidir sobre os transportes públicos na Batalha nem da Batalha que se deve decidir sobre o estado de direito na Polónia. Mas como é local na sua localidade, apresento-lhe uma evolução do principio da subsidiariedade. Apresento-lhe o Right to Challenge, isto é, o Direito a Desafiar.

Criado no Reino Unido em 2011, o Direito a Desafiar apresenta a oportunidade ao cidadão de desafiar a provisão de serviços públicos e de trabalhar em parceria com as autoridades competentes a complementar ou substituir estes mesmos serviços. Cobra multas melhor que a EMEL? Pois deveria ter o direito a o fazer! Dispõe de alguns painéis solares ou cozinha melhor que a cantina escolar? Coleciona e recicla lixo enquanto cria emprego? A cidadania não se encerra nos partidos, se bem que daqui, poderiam vir, mais do que ideias, iniciativas.

Deixo um último exemplo, um pouco mais criativo: o meu colega de casa, o Alex, é empreendedor social. Criou um projeto que considero impronunciável, mas soletra-se assim: Zorgvrijstaat West. West, de Oeste, aqui o nosso bairro em Roterdão. Enquanto muita gente necessita de acompanhamento psiquiátrico, os psiquiatras estão enclausurados em hospitais e consultórios. O que o Alex faz é trazer estes especialistas para o bairro de maneira a que os locais com mais necessidade de acompanhamento tenham a atenção necessária. Uma grande parte destas pessoas estão incapazes de trabalhar. Ao devolver esta capacidade, o Alex desafia o sistema de saúde e garante, além do beneficio social, a contribuição económica deste retorno e contributo ao mercado de trabalho. Um verdadeiro desafio para o sistema de saúde.

Por isso, se se for queixar, queixe-se pelo direito de desafiar. Não se queixe dos sem-abrigo, dos transportes ou dos políticos. Não se queixe da água suja do rio ou da eletricidade cara. A abstenção já não tem direito nem a democracia, do voto. Mais do que uma escolha, é o direito do cidadão. Para acabar, cito o Alex-is de Tocqueville: “A saúde de uma sociedade democrática pode ser medida pela qualidade das funções mantidas por cidadãos particulares.” Este é o seu desafio.


NESTA SECÇÃO

“A Quaresma do deserto não é negação da autoestima”

(…) A nossa Quaresma recorda, não apenas a história de Israel, mas também a história pessoal...

Nª Srª das Candeias e a tradição dos fritos na Freguesia de São Mamede

Diz a tradição popular portuguesa que a 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, s...

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...