Nova pedreira na freguesia do Reguengo quase aprovada

A Câmara da Batalha revelou que a Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG) manifestou a intenção de licenciar uma nova pedreira e aprovar três pedidos de pesquisa de rochas ornamentais na freguesia de Reguengo do Fetal, que se encontram suspensos por seis meses, até à conclusão dos processos relativos à delimitação da área de proteção das pedreiras históricas.

O presidente da autarquia refere, num “esclarecimento” divulgado esta quinta-feira, 5, a propósito da consulta pública de avaliação de impacte ambiental da “pedreira da Barrosinha”, que “um dos pedidos suspensos por iniciativa da autarquia se reporta à intenção de exploração efetiva de uma pedreira em Casal do Gaio/Marmobatalha”, com 19 mil metros quadrados.

Este pedido “merece a maior preocupação da câmara, uma vez que não obstante a rejeição e embargos municipais já realizados, trata-se de terrenos privados, alienados pelos respetivos proprietários para esse fim e já foi reportado pela DGEG a intenção de viabilizar a exploração”, explica Paulo Batista Santos.

“Trata-se de uma situação que considero da maior gravidade e que por sobreposição da exploração compromete o projeto de Valorização das Pedreiras Históricas do Mosteiro da Batalha (Valinho do Rei e Pidiogo), em fase final de estudo prévio/projeto de execução da equipa técnico-científica coordenada pela Universidade de Aveiro”.

O presidente do município lembra ainda que, em parceria com a Junta de Freguesia do Reguengo do Fetal, “está em curso e foi considerado elegível o projeto da maior relevância ambiental, cultural e turística, designado por percurso pedestre Rota das Pedreiras Históricas Medievais, no âmbito da candidatura de Valorização e Promoção do Património Natural da Região de Leiria, submetida pela CIM Região de Leiria”.

Portanto, à pedreira da Barrosinha “juntam-se mais alguns pedidos de licenciamento (pesquisa e exploração) em análise pela DGEG”, que foram “suspensos por período compaginável com a conclusão dos trabalhos em curso relativos ao Estudo e Valorização das Pedreiras Históricas do Mosteiro da Batalha”.

No caso das pesquisas, referem-se a eventuais explorações nos lugares de Caramulo, Selada e Sobreirinha, todos da freguesia de Reguengo do Fetal – a decisão da DGEG foi suspensa por meio ano, mas já passaram alguns meses sobre esta medida.

 


NESTA SECÇÃO

Covid-19: Número de vítimas mortais sobe para oito na Batalha

O número de pessoas falecidas no concelho da Batalha com Covid-19 aumentou para oito nas últ...

Valorlis em campanha de inclusão para aumentar a reciclagem

A Environment Global Facilities (EGF) e as suas 11 concessionárias – entre as quais a Valorl...

Câmara sujeita a ter de indemnizar empresas de exploração de pedra

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Leiria aceitou uma providência cautelar, interposta pe...