José Travaços Santos

Apontamentos sobre a História da Batalha (177)

Notas Soltas sobre S. Jorge e a Batalha

É da nascença de ambas a relação histórica entre a povoação de S. Jorge, da freguesia da Calvaria de Cima e do concelho de Porto de Mós, e a Vila da Batalha. No descampado, onde hoje está a aldeia, duma certa dimensão e em expansão, de S. Jorge, deu-se o acontecimento que motivou a construção do Mosteiro de Santa Maria da Vitória e o surgimento da nossa Vila.

Pouco mais de dois anos depois da batalhe real de 14 de Agosto de 1385, mais tarde designada por batalha de Aljubarrota, que, repito, todo o País devia lembrar e celebrar em cada ano com propósitos pedagógicos pelo feito em si, pelas benéficas consequências para Portugal e pela porta que se abriu para o cumprimento da sua missão universal e pela forma como tudo se processou, el-Rei D. João I mandou construir, muito provavelmente em 1388, o monumento que, começando por evocar a vitória das armas portuguesas e registar o agradecimento à Virgem Maria, acabou por comemorar também toda uma época de crescimento, de inovação e de ascensão no campo militar, na actividade náutica, na política, nas Artes, nas Letras e nas Ciências, infelizmente sem repetição nos séculos seguintes.

A propósito daquele ano de 1388, hoje dado como o do início da obra monumental da Batalha, é curioso verificar que nos vitrais da Capela Mor, do seu lado sul, ele está gravado por ser o da doação do futuro convento à Ordem Dominicana ou por ser o do início da obra. Evidentemente que já não será o vitral primitivo, que a acção e a inacção dos homens e os efeitos do tempo teriam destruído, mas uma réplica que continuou a registar a data, com certeza por ela ser extremamente significativa.

Mesmo tendo começado a obra em 1388, em Janeiro segundo alguns historiadores, é espantoso que a decisão do Rei tenha sido tomada em tão pouco tempo. Conseguir fundos, estabelecer os planos, escolher e contratar mestres e obreiros, instalar dezenas ou centenas de famílias no local, organizar todo o complexo estaleiro duma obra desta envergadura, e isto ainda em estado de guerra com Castela, revela bem a força da vontade, o espírito de decisão de D. João I, a pronta adesão nacional e as capacidades, depois largamente desenvolvidas na empresa dos Descobrimentos e da Expansão, dos portugueses dos séculos XIV e XV. Tudo o que nos falta hoje.

O templo conhecido por Capela fe S. Jorge, na referida localidade, construção contemporânea da do Mosteiro e muito provavelmente com a intervenção dos obreiros da Batalha, foi mandado erguer pelo Condestável D. Nuno Álvares Pereira onde, segundo a tradição (aliás comprovada na lápida que refiro a seguir), ele erguera o seu pendão durante a decisiva batalha. Corria o ano de 1392.

Sobre a consagração do templo tem havido dúvidas, de que dá conta o Boletim nº 120, de Junho de 1965, da Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (“Capela de S. Jorge de Aljubarrota”), que contém, cuidadosamente seleccionados, esclarecedores dados históricos sobre o pequeno mas muito expressivo monumento, que desde os bancos da Escola Primária e durante vários anos me habituei a visitar em romagem patriótica e em meditação sobre a missão e o destino do Povo Português.

Parece que basta a inscrição da lápida existente na Capela para que se resolva definitivamente a questão. O templo foi consagrado a Nossa Senhora, só mais tarde associando-se a invocação de S. Jorge. Esta lápida foi estudada e certificada pelo arqueólogo e considerado epigrafista medieval José Maria Cordeiro de Sousa, nascido em Lisboa em 1886, autor duma vasta obra versando, sobretudo, as inscrições históricas. É claro o que nela se diz e que resume: “… Nuno Álvares Pereira, Condestável, mandou fazer esta capela em honra da Virgem Maria (a onra da Virge Maria)…”. A inscrição, copiada na íntegra no citado Boletim, também confirma que naquele sítio esteve a bandeira do Condestável.

Lembro os possíveis, e com certeza pacientes, leitores destes modestos “Apontamentos”, de que há diversas obras a consultar sobre a Capela de Santa Maria da Vitória e de S. Jorge e sobre a batalha real. Além deste precioso Boletim, as do Professor Doutor Saul António Gomes, do Tenente-Coronel Afonso do Paço… começando-se pelas Crónicas de Fernão Lopes. Há anos, tive a honra de publicar, no nº 6 dos “Cadernos da Vila Heróica” um interessante artigo que me confiara o General Raul Pereira de Castro, contando o que se passou, por aquele campo de S. Jorge, em grande parte do século XX, várias situações em que ele interveio sempre em defesa daquele espaço sagrado e lição permanente para os Portugueses.

Nossa Senhora do Ó, do Mosteiro da Batalha 

Com seu quê de pagão,/colar de mãos espalmadas,/Senhora Mãe da Espera/saída da imaginação/de ignoto pedreiro/(mestre de conhecimentos/perdidos no fundo dos tempos). Imagem de sacralização/da vida, que germina e floresce/em humano ventre materno/de divina dimensão/e igual destino eterno.

Legenda da imagem: Reproduz-se do Boletim da Direcção Geral dos Monumentos Nacionais, referido no texto, este belíssimo desenho da Capela de Santa Maria da Vitória e de S. Jorge, feito pela Rainha D. Amélia, mulher de D. Carlos I, o soberano também um artista de mérito, em 1904. Pertence à Fundação da Casa de Bragança.

Peça a peça, o Museu Etnográfico da Alta Estremadura

Visitámos já duas divisões do Museu: a das miniaturas etnográficas, dalguns instrumentos musicais em tamanho natural e dalgumas obras de Arte, em que se incluem aguarelas de Guilherme Correia e de Artur Franco, gravuras do século XIX e trabalhos, tãoi representativos da Batalha, dos nossos canteiros, e, com passagem directa, a da sala de aulas da Escola Primária dos anos 30, 40 e 50 do século XX. Da divisão das miniaturas, que fica à esquerda de quem sobe as escadas de acesso ao primeiro andar, passa-se para a outra parte do edifício, que tudo indica datar do século XVIII, cujas paredes interiores são de carrisca, casca de pinheiro unida por argamassa, possivelmente feita de saibro, cal e azeite, e metida entre fasquias muito mais largas do que as de tabique. Tanto estas paredes de carrisca, como as de tabique e de tijoleira, protegidas por painéis de vidro, podem ser apreciadas pelos visitantes. E, neste número do Jornal, apresentamos apenas a passagem entre os dois corpos do edifício. Tirada a fotografia da divisão das miniaturas, ainda vemos, à esquerda, o armário das embarcações típicas da costa da Alta Estremadura, e à direita duas gravuras oitocentistas e parte do armário das alfaias agrícolas.


NESTA SECÇÃO

Destino de alguns valores do Mosteiro de Santa Maria da Vitória

Universalidade de Portugal Não sei se Portugal pode cumprir outra missão, servir ou...

Exposição liga Batalha aos principados romenos

Está patente no mosteiro uma exposição intitulada “Os principados romenos no tempo da constr...

Infante D. Henrique, Imperador de novos mares e de novos céus

Infante D. Henrique   “Talant de bien faire”   Tive a vocação do bem.   ...