Notícias dos combatentes


Mouzinho de Albuquerque, esse combatente batalhense

Se a vida de Mouzinho de Albuquerque (1855-1902), herói batalhense, fosse transcrita para os dias de hoje, seria talvez estigmatizado e eventualmente até apelidado de criminoso de guerra, como o foram muitos dos combatentes das Guerras do Ultramar. Mas, na sua época, os seus atos praticados em África tiveram outra interpretação mais positiva, pois o contexto mental e social era deveras diferente.

Os seus mais glorificados atos tiveram a ver com a captura de Gungunhana embora esta, em si mesma, e segundo o Historiador Paulo Jorge Fernandes, "foi um golpe de sorte e não passou de uma bravata militar em que não participaram mais de meia centena de homens e não houve qualquer chacina dos dois lados", e onde o rei africano terá sido despojado dos seus haveres, afastado das tradições e transportado para Portugal, aqui sofrendo vastas humilhações públicas. Com esta captura, o regime monárquico garantia o domínio sobre Moçambique.


NESTA SECÇÃO

Portugal segundo os Heróis do Mar

  Os Heróis do Mar foram dos poucos, no seu tempo, a escreverem sobre o orgulho de ser po...

Férias fiscais e outros temas

Acaba de ser publicada no dia 26 de fevereiro de 2021 a Lei n.º 7/2021, que veio reforçar as...

Visão Iniciativa Liberal: transparência e rigor para a Batalha

No rescaldo da recente polémica instalada na justiça portuguesa e porque a Iniciativa Libera...