José Travaços Santos

Baú da Memória

Morreu o Mestre José Manuel Soares

Foi já em 31 de Dezembro. Morreu o notável pintor José Manuel Soares, mestre da arte de contar a nossa História em telas que são parte também do acervo histórico português. Obras de corres fortes, adequadas à força e à grandeza dos temas, desenho firme e rigoroso e simultaneamente um toque poético em cada pincelada.

José Manuel Soares foi um dos grandes pintores do século XX. Nascido em 1932 em São Teotónio, Odemira, residiu alguns anos em Leiria, melhor: entre Leiria e Lisboa, tendo tido na nossa capital de distrito uma galeria onde fez inesquecíveis exposições. Veio à Batalha várias vezes, aqui pintou alguns dos seus temas e na Galeria Mouzinho de Albuquerque fez, pelo menos, duas exposições.

Tive a honra de escrever pequenos textos, quase poéticos, que acompanhavam as suas obras, sobretudo as que se referiam e retratavam o Mosteiro, a Dinastia de Avis e os Descobrimentos. Dele possuo dois quadros magníficos, os do pórtico manuelino da nossa igreja Matriz e do pórtico do Mosteiro dos Jerónimos, neste a escultura do Infante D. Henrique, e um pequeno quadro com o desenho do Castelo de Leiria.

Autor de banda desenhada, a sua obra é tão vasta que é difícil dar sequer uma ideia sobre ela nesta secção do jornal, apenas destacando “A Ala dos Namorados”, cujo texto era de Artur Varatojo (lembram-se do Inspector Varatojo?). O pintor ilustrou, também, a capa do disco com o “Hino à Batalha”, interpretado por Vicente (Frei e Vicente) que igualmente compôs a música, sendo a letra da autoria de Odete Saint- Maurice e de António Brochado Rodrigues.

José Manuel Soares foi distinguido com inúmeros prémios e medalhas de prata e ouro, entre elas da Sociedade Nacional de Belas Artes e da Secretaria de Estado da Cultura, e tem em Pinhel, cidade da Beira Alta, um museu onde está a maior parte da sua obra. Era casado com a também pintora Ângela Soares, a quem apresentamos os mais sentidos pêsames.

A fotografia que se reproduz, foi tirada em 14 de Agosto de 1998 pelo António Sequeira, na Galeria Municipal Mouzinho de Albuquerque da nossa Vila, vendo-se da esquerda para a direita o autor desta secção, a esposa do pintor, o Dr. Eduardo Saraiva, José Manuel Soares, o historiador Professor Doutor José Hermano Saraiva e a sua esposa D. Maria de Lourdes Sá Nogueira.

De estranhar é que a morte do Mestre José Manuel Soares tenha sido completamente ignorada pela chamada grande Comunicação Social.

 

 


NESTA SECÇÃO

Novo lar de idosos da Santa Casa

A Misericórdia da Batalha iniciou mais um importante projeto, que vem complementar a sua já ...

“Memória Revisitada”

Em 1808, o notável pintor português Domingos António de Sequeira, nascido em Lisboa em 1768 ...

Privar ao luxo

Ao longo dos três anos que empenhei o meu verão a ganhar libras britânicas numa escola de ve...