Mão à Palmatória

Esclarecimento

“Monumento que homenageia combatentes da Batalha inaugurado no centenário da Liga”

Exmº Senhor Diretor do Jornal da Batalha

Sou a solicitar os vossos bons ofícios para correção, na próxima edição do Jornal da Batalha, para que fiquem esclarecidos os combatentes batalhenses em particular e todos os leitores em geral, do publicado erroneamente no terceiro parágrafo da notícia “Monumento que homenageia combatentes

da Batalha inaugurado no centenário da Liga”, publicada na página 5 da edição de maio, pois onde se lê:

“Instalado no Jardim do Condestável, o monumento representa quatro túmulos, onde constam 12 nomes de soldados falecidos em Angola, Guiné, Moçambique e em França.”

Tal como lida por mim no dia da inauguração, perante Sua Exª o Presidente da República e demais entidades, a memória descritiva do referido memorial, que remeto em anexo, é clara em salientar que: “Em redor desta peça central desenvolvem-se, em leque, quatro países ancorados a uma faixa em aço pintado. Os países representam Angola, Moçambique, Guiné e França, onde são homenageados os 12 combatentes. Cada país é materializado com uma cor distinta a que correspondem diferentes tipos de pedra natural polida, com 3.00m de comprimento e extremidades com 85 e 55cm de largura: Angola em Granito Zimbabué, Moçambique em Travertino encarnado, Guiné em Mármore verde Guatemala e França em Calcário amarelo imperial.”

Em tempo algum, por parte da Exmª arquiteta Patrícia Soares, por parte do núcleo da Batalha, e até por parte do Município da Batalha se conotou o próprio memorial com o que quer que tornasse o mesmo, e o local onde foi erigido, como símbolo de um depositário de soldados falecidos, mas tão simplesmente no local que representa os países onde os mesmos deram a vida em prol da ditosa pátria sua amada.

Ciente da V.ª compreensão para a reposição da memória descritiva, e assim desfazer o mal-entendido provocado nos combatentes batalhenses e leitores em geral, me subscrevo em nome da direção do Núcleo da Batalha da Liga dos Combatentes.

 

Com os meus mais distintos cumprimentos.

António Alexandre Nobre Evaristo

Presidente do núcleo da Batalha

Coordenador Executivo do Centro de Estudos Apoio Médico Psicológico e Social Liga dos Combatentes


NESTA SECÇÃO

Eça de Queirós e a sua estada em Leiria

Foi há cento e cinquenta anos que Eça de Queirós esteve em Leiria no desempenho das funções ...

O coração que canta

Francisco José, mais conhecido por ter dado voz à canção Olhos Castanhos, foi um extraordiná...

Conservar e aproveitar o que a natureza oferece

A natureza é generosa e frequente nesta época. O nosso quintal está produzir mais do que nec...