Joana Magalhães

Pestanas que Falam

Mês em branco

Este mês não tenho tema. Não há uma situação caricata. Não há uma crítica. Não há uma reflexão. Não há um assunto. Este mês a crónica segue em branco. "Não tenho tempo nem para pensar” dizemos muitas vezes quando estamos assoberbados com uma lista de tarefas que nunca mais fica riscada. É nestas alturas que surgem as crónicas em branco. Entendamos isto como uma metáfora para os dias que deveriam ter bem mais do que 24 horas e que não nos permitem pensar. E pensar é bom. Colocarmos os pensamentos em dia, connosco próprios, refletirmos.

Hoje já não se tira tempo para pensar. Já não se senta em silêncio a refletir, tudo é rápido e tudo é, também, efémero. Esta crónica em branco é o mote para que todos tenhamos mais tempo para pensar, seja sobre nós, seja sobre o que nos rodeia. É o mote para tentarmos viver com mais calma, serenidade e mais tempo para pensar.

Não sei se é assim que se escrevem crónicas sem tema, em branco, não conheço as regras, mas vou cumprir a única que impus desde o início deste texto: pensar, refletir, acalmar.


NESTA SECÇÃO

Infante D. Henrique, o Navegador

A 4 de março de 1394, nasceu, no Porto, o Infante prodígio da Ínclita Geração: D. Henrique, ...

Todos os seres vivos morrem

Agora que a pandemia nos atingiu seriamente, muito se fala do número de óbitos existentes a ...

Saga Feérica no Reino da Dinamarca

O sol escaldante do Verão anunciava aos arautos da arte dinamarquesa que podiam sair de casa...