Juros pagos pela câmara equivalem a 0,50 euros/habitante

O Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2018 coloca a Câmara da Batalha no 11º lugar dos municípios com menor volume de pagamentos de amortizações de empréstimos, com 91.884 euros, o que compara com o valor liquidado de 383.770 euros, em 2013, uma redução superior a 76%.

A publicação, apresentada pela Ordem dos Contabilistas Certificados, no dia 30 de outubro, destaca o município no 13º lugar no ranking nacional, com o menor volume total de despesa paga em juros em 2018 e simulação desse custo por habitante, tendo liquidado apenas 10.164 euros, o que representa 50 cêntimos por habitante.

A câmara municipal encontra-se também colocada na 11ª posição nacional ao nível dos municípios com menor peso de pagamentos da despesa com pessoal na despesa total (apenas 17,9%), o que compara com o valor de 20,7% em 2014.

“O Anuário Financeiro dos Municípios mostra que a Câmara da Batalha é um dos municípios portugueses com menor endividamento, registando níveis de investimento per capita acima da média nacional e que tem optado por uma política de impostos e taxas municipais a valores mínimos, indicadores que confirmam uma gestão municipal de rigor e sem penalizar os munícipes”, destaca o presidente da autarquia, Paulo Batista Santos.

O ranking global nacional dos municípios, que resulta da análise de 11 indicadores - incluindo o índice da dívida, o peso do passivo e o índice de liquidez - é liderado por Sintra (município de grande dimensão), seguido pela Marinha Grande (autarquia de média dimensão, que lidera esta divisão). A região colocou mais oito concelhos entre os cem que apresentam maior eficiência financeira (Alcobaça, Bombarral, Porto de Mós, Leiria, Pombal, Alvaiázere, Caldas da Rainha e Castanheira de Pera).

A tabela nacional dos municípios com maior equilíbrio orçamental é liderada por Leiria, surgindo ainda em destaque Alvaiázere (3ª posição), Pombal (5ª), Marinha Grande (16ª) e Alcobaça (17ª). No lado oposto encontram-se Castanheira de Pera (2º com menor equilíbrio) e Figueiró dos vinhos (13ª posição).

A publicação é da responsabilidade do Centro de Investigação em Contabilidade e Fiscalidade do IPCA e do Centro de Investigação em Ciência Política da Universidade do Minho.

 


NESTA SECÇÃO

Abertas as candidaturas ao Orçamento Participativo

As candidaturas ao Orçamento Participativo da Batalha (OPB), que tem “o intuito de incentiva...

Câmara termina ano com saldo global de 1,3 milhões de euros

A Câmara da Batalha registou um montante e 15 milhões de euros de execução orçamental e ence...

Desemprego atinge 231 pessoas e está em queda no concelho

O concelho da Batalha tinha em novembro menos 18 desempregados do que no mês homólogo do ano...