A Opinião de António Lucas

Ex-presidente do Município da Batalha

Funcionamento dos serviços públicos

Quem trabalha nos serviços públicos tem como função principal contribuir para a resolução dos problemas dos cidadãos utentes.

Com base nesta premissa, deve estar disponível, demonstrar espírito de colaboração e de vontade de colaborar, facilitando o mais possível a vida a quem necessita dos serviços e, em última análise, lhes paga o salário, o seu sustento e da sua família.

Quando passei pela administração pública repeti isto, até à exaustão, junto dos que trabalhavam comigo, para que todos tivéssemos sempre presente quais as linhas que norteavam a nossa função.

Se assim não for e quando assim não é, infelizmente demasiadas vezes, polvilhadas aqui e acolá, com exemplos excelentes de verdadeiro serviço público, então está tudo invertido e as pessoas que exercem essas funções não estão no sítio certo, nem merecem lá estar. A começar nos dirigentes máximos e a terminar no mais simples funcionário, que será sempre o menos culpado.

Não raras vezes, ao frequentarmos certos serviços, ou melhor, ao sermos atendidos em certos serviços públicos, por certos funcionários, ficamos com a sensação de que nos estão a fazer um favor e que nós, os utentes, mais não somos do que uns chatos, que só ali aparecemos para lhes infernizar a vida.

Mas estes maus exemplos, nem são os piores. Os piores são mesmo outros, mais importantes (acharão eles), que não têm contacto direto com o público e quando o público tenta falar com eles, nunca estão, ou estão em reunião, ou estão muito ocupados, não atendendo as pessoas, nem respondendo posteriormente. Ou seja, o cliente, o utente, o que lhe paga o salário, nem uma simples resposta merece. Estes são os piores exemplos de uma administração pública do princípio do século XXI, que já não devia existir e que existindo, terá que desaparecer rapidamente.

Um dos aspetos fundamentais para que um serviço funcione, assenta na sua boa comunicação e só comunicará bem se prestar serviços de qualidade e em tempo útil. Haverá sempre alguns, que mesmo trabalhando muito mal, comunicam de tal modo bem, que enganando o destinatário o mesmo fica com a perceção de que o dito serviço até funcionará bem. Mas esses são os "artistas" e não é a esses que me refiro.

A boa comunicação faz-se no dia a dia, respondendo em tempo útil e com profissionalismo às solicitações que nos chegam e depois dando a conhecer ao público em geral o que andamos a fazer.

Quem trabalha em qualquer empresa privada sabe que o elemento mais importante é o cliente, que tem que ser tratado com eficácia, simpatia e competência, porque se assim não for ele vai a outro lado e ficamos sem salário e sem emprego.

Quem trabalha nos serviços públicos deve olhar para os utentes do seu serviço, como o cliente que é, tratando-o como merece.

Sei e reconheço que existem inúmeros funcionários públicos de elevada competência e profissionalismo, até porque trabalhei com muitos, para os quais só tenho uma palavra, obrigado, até porque, na maior parte destes, são mal pagos e não reconhecem a excelência do seu trabalho.

Refiro-me obviamente aos outros e aos seus dirigentes, apelando a que mudem de estratégia, até porque, se não mudarem, a vida um dia destes poderá correr-lhes mal e todos conhecem exemplos desses.

A administração pública presta serviços fundamentais à sociedade, é necessária e muitos merecem o nosso reconhecimento. Desejo que os restantes passem a olhar para os cidadãos como verdadeiros clientes, prestando-lhe serviços de qualidade, como merecem e os quais são bem pagos.

Uma palavra final de grande solidariedade para todos os cidadãos ucranianos, que estão a sofrer enormemente com as ações de um louco à solta.


NESTA SECÇÃO

“A Quaresma do deserto não é negação da autoestima”

(…) A nossa Quaresma recorda, não apenas a história de Israel, mas também a história pessoal...

Nª Srª das Candeias e a tradição dos fritos na Freguesia de São Mamede

Diz a tradição popular portuguesa que a 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, s...

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...