Francisco André Santos

Diacrónicas

As feministas

Começo a desconfiar que existe algum tipo de correlação entre feministas e problemas com telemóveis. De alguma maneira, aqueles que se afirmam feministas, parece-me, observam algum tipo de antagonismo com o telemóvel. Possivelmente, será por ser “o” telemóvel ou por ser eu a ligar. Ainda assim, sou obrigado a admitir que a correlação muito se baseia nos problemas em contactar duas amigas aqui por Roterdão. Vinda da Polónia, a Joanna tem um único modo de contacto que é a aplicação do WhatsApp, e a Susana, compatriota, é obrigada a falar em altifalante, isto é, quando alguma delas atende.

Parece-me haver um certo vanguardismo nisto tudo. Quiçá se o telemóvel é um retrocesso, mas com este duo magnifico, coloco tudo em questão. E é nesta precária insurreição em que desde a cozinha, julgamos o mundo como deveria de ser. E nos julgamos uns aos outros. Colocamos em questão a burguesia da Susana, as compras da Joanna, assim como o meu feminismo masculinamente minoritário. Trabalhamos toda a dialética, da direita para a esquerda, de cima para baixo. À falta de léxico, pregamos um sorriso de esguelha enquanto introduzimos um novo conceito. Bolas! Como me divirto nas nossas discussões de cozinha.

Às vezes, batemos em assuntos mais pessoais. Mudamos o tom e passamos ao aconselhamento e conforto. A Joanna reconheceu, com muita inteligência, a pouca necessidade do sistema universitário. Consegui convencê-la de que se quisesse mudar esse ou outro sistema, de que necessitaria desse reconhecimento institucional, tamanha dificuldade seria se não o fizesse. A mãe da Joanna, nem pode imaginar alguma alternativa sexual da filha. Já o pai da Susana, continua com dificuldade em aceitar a cor de pele do namorado, se é que já lhe contou.

Mas elas não esperam nem por mim nem pelo mundo, e isso inspira-me. Preparam agora para o dia 8 de Março, dia da Mulher, uma marcha feminista. Ainda não sei bem da temática da pouca roupa nessa marcha, até que por aqui faz frio, mas estão a criar uma ação concreta para lidar com um assunto que lhes é querido. Será o primeiro protesto que organizam e de alguma maneira, a minha presença parece obrigatória. Afinal de contas, feminismo é pela igualdade entre sexos.

Por experiências negativas ou simplesmente por acreditarem na necessidade de reivindicarem, encontramos por aí (sobretudo) mulheres aguerridas. A política é uma problemática e chateamo-nos com políticos como nos chateamos com feministas. Para mim, até me explicarem o machismo da minha ação, assim o sou por ignorância, essa que reflito de volta com argumentos. Felizmente, elas são um pouco mais pacientes comigo, debatem e explicam-me as suas ideias.

Daí decorre um problema: a nossa identidade não é assim tão própria. Podemos até afirmá-la, mas além de como nos identificamos, persiste como nos identificam. Perguntando a conclusão do seu doutoramento, o meu amigo Jochen explica-me que as correntes de política de identidade, relativamente recentes, são desprovidas de um objetivo ou sistema político claro. Em alternativa, são construídas pela negativa. Sem saberem o que são, afirmam aquilo que não são. Podemos não saber o que é um mundo matriarcal, mas sabemos bem que não queremos um mundo patriarcal. Até lá, onde quer que seja, será preciso polir e até lapidar um novo equilíbrio.

Mas sempre que vou a casa da Joanna e da Susana, sou bem tratado, portanto, dá gosto insistir. Dois anos de companheirismo aqui por Roterdão já dava para um livro, mas por enquanto, fica uma marcha!


NESTA SECÇÃO

Benjamin Rabier

Este mês, no Museu Bordalo Pinheiro, é inaugurada uma exposição intitulada “Benjamin Rabier ...

Uma mão cheia de nada!

Muitos dos nossos combatentes têm abordado o núcleo, solicitando explicações acerca do publi...

Depois de quase meio século do 25 de Abril de 74

Decorrido praticamente um quarto do século XXI e poucos dias após se ter comemorado mais um ...