Joana Crespim

Mestre em Psicologia Clínica e formada em Hipnose

Família, escola e hiperatividade

A Perturbação de Hiperatividade/Défice de Atenção (PHDA) é bastante evidenciada no quotidiano das nossas crianças e jovens. Para tal, surge desta forma uma necessidade de atuação ao nível de um diagnóstico assertivo. Neste seguimento, surge ainda outra necessidade de ação, esta prende-se com a importância do papel da Família e da Escola por forma a melhorar a qualidade de vida do sujeito diagnosticado com esta perturbação.

Afinal, como se caracteriza uma PHDA?

As crianças e os jovens diagnosticados com esta perturbação caracterizam-se por manifestarem padrões comportamentais muito idênticos. Esta deficiência neurobiológica de origem genética, perfaz psicologicamente um desequilíbrio emocional, o que se espelha em mudanças de humor e na instabilidade afetiva. De uma forma sucinta, o indivíduo apresenta grande dificuldade em seguir regras de conduta, o que se traduz em problemas de comportamento mais especificamente manifestando uma inquietação motora, impulsividade e um curto período de sustentação da atenção, representando assim dificuldades na aprendizagem e também dificuldades de interação ao nível grupal, quer ao nível familiar quanto escolar. Pelas mesmas razões, a PHDA constitui como um desafio para a Família e para a Escola.

Contudo, antes de ser abordada a importância desta díade, é igualmente importante ressalvar e compreender a necessidade para a realização de um diagnóstico assertivo, e como tal, este deve ser realizado por uma equipa de profissionais de saúde, devidamente qualificada. A PHDA é simples de sinalizar devido às dificuldades que origina, no entanto, é uma perturbação muito difícil de avaliar podendo dificultar a tomada de decisão relativamente à intervenção terapêutica mais adequada. Como tal, este procedimento pressupõe a aplicação de variados construtos aferidos e validados, que deverão ser manuseados por uma equipa multidisciplinar em que vai determinar a presença ou ausência de PHDA.

Como suporte à intervenção terapêutica estipulada por esta equipa de profissionais, surge então a importância da díade mencionada anteriormente, a Família e a Escola. O papel que estes dois grandes pilares representam é fulcral, tanto como auxílio no diagnóstico como no processo interventivo.

Numa perspectiva sistémica, a Família nuclear desempenha um dos papéis mais importantes para a sua contribuição sendo que a podemos considerar como a fonte mais rica e por vezes a menos utilizada. E se por um lado, a Família é o primeiro mediador entre a criança e o meio, por outro, a Escola representa o contexto onde a mesma passa a maior parte do seu tempo inserida. Sendo  um lugar de desafios, a Escola é um ecossistema em permanente interação onde se promove o contato social, estimula-se a autonomia, a capacidade crítica e a cooperação.

Neste sentido, podemos então destacar que a Família e a Escola têm uma missão compartilhada: a orientação pessoal da criança/jovem, proporcionando um ambiente funcional e organizado a fim de minimizar o impacto que a PHDA implica no seu aproveitamento.

 

 

 

 


NESTA SECÇÃO

Varizes: um problema comum

As veias são os vasos sanguíneos responsáveis por conduzir o sangue dos diferentes órgãos pa...

Conselhos para prevenir lesões na coluna em mergulhos

Os acidentes de mergulho são uma das principais causas de lesão na coluna vertebral, provoca...

Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis

As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) são infeções contagiosas cuja forma mais freque...