Luis Duarte Costa

Vice-Presidente SPMI

Falta de produtividade e decisões absurdas no Sistema Nacional de Saúde

A base do sistema nacional de saúde são as duas principais especialidades generalistas: Medicina Geral e Familiar no ambulatório e a Medicina Interna nos hospitais. Contudo, ao contrário do que seria de esperar, é contra estas duas especialidades que o Ministério da Saúde, com o silêncio ou conivência da Ordem dos Médicos, pretende tomar duas medidas contra-natura: colocar tarefeiros, sem especialidade, a gerir listas de utentes sem médico de família e criar a especialidade de urgência para responder á falta de médicos nas urgências.

 

Num jogo de batalha-naval seriam dois tiros na água e ficar sem munições!

 

O que todos precisamos é de facilitar o trabalho aos Médicos de Família (MF) e aos Internistas para que possam fazer aquilo para que se preparam em 11-12 anos de formação! E, nessa altura, exigir-lhes maior produtividade com salários condignos a quem salva vidas e trata da nossa saúde!

 

Invistam em sistemas informáticos que trabalhem em rede e facilitem o trabalho dos profissionais de saúde.

 

Contratem mais assistentes técnicos para atender telefones, contactar doentes e otimizar a agenda médica e de enfermagem.

 

Contratem mais assistentes operacionais para acompanhar os doentes e familiares e resolver as questões mais simples de quem circula no complexo sistema de saúde.

 

Contratem mais enfermeiros e deem-lhes mais autonomia para que sejam o primeiro contacto do doente com o sistema de saúde, retirando-lhes tarefas que podem ser executadas por auxiliares e assistentes e dando-lhes outras, anteriormente feitas por médicos, como a gestão dos fármacos prescritos pelos médicos.

 

Aos MF exijam que orientem todas as situações agudas pouco graves dos seus doentes que conhecem e acompanham por toda a vida e, aos Internistas, que orientem todos os doentes não cirúrgicos do internamento e emergência hospitalar.

 

Foi nesse sentido que a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar e a Sociedade Portuguesa de Medicina Interna assinaram, em 2019, um consenso, na presença do Secretário de Estado da Saúde, sobre o seguimento do doente agudo e do doente crónico.

Colocar médicos em tarefa, nos Centros de Saúde, a fazer um trabalho para uma vida é um absurdo e é um absurdo criar uma especialidade para os doentes da urgência que deviam estar nos Centros de Saúde.


NESTA SECÇÃO

A dor está nas nossas mãos

A dor define-se como uma experiência sensorial e emocional desagradável associada, ou semelh...

Investimento na saúde da visão para poupar e promover vidas

Mais de mil milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de deficiência visual ou cegueira evit...

São muitos os benefícios de deixar de fumar

O tabaco surge de uma planta chamada Nicotiana Tabacum que é uma substância estimulante. O t...