Exportações do concelho caíram 27% no primeiro semestre

As exportações de mercadorias do Concelho da Batalha caíram 27% no primeiro semestre deste ano, em comparação com o período homólogo do ano passado, para 22 milhões de euros, segundo os dados divulgados no dia 7 de agosto pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Este resultado quase duplica a diminuição média registada no distrito de Leiria (-14%) e é também muito superior à descida anotada para todo o país (-17%).

No que respeita às importações, a diminuição no concelho também é acentuada (-24%), o dobro do distrito (12%) e mais do que o resultado nacional (-20%).

No que respeita à taxa de cobertura das importações pelas exportações, diminuiu três pontos percentuais do primeiro semestre do ano passado para o período homólogo deste ano, fixando-se em 64%. É uma descida semelhante à do distrito, enquanto o país aumentou a taxa de cobertura (TC) em valor idêntico.

O Município da Batalha ocupa terceira posição entre os município com maior quebra das exportações, em termos percentuais, atrás de Caldas da Rainha (-35%) e Nazaré (-34). Apenas quatro concelhos aumentaram as exportações: Óbidos, Alvaiázere, Ansião e Bombarral.

Nas importações, o concelho cai para a quinta posição, atrás de Figueiró dos Vinhos (-55%), Pedrógão Grande (-48%), Caldas da Rainha (-33%) e Porto de Mós (-30%).

Em termos distritais, as exportações caíram 162 milhões de euros e as importações encolheram 108 milhões, comparando os primeiros semestres deste e do ano passado.

Os concelhos da Marinha Grande, Leiria e Alcobaça lideram o trio de maiores exportadores e importadores. Encontram-se nas últimas quatro posições concelhos do norte do distrito.


NESTA SECÇÃO

Contas aprovadas com resultado de exploração positivo

A câmara da Batalha “vive uma situação financeira saudável e apresenta meios libertos positi...

Contribuintes do concelho com rendimentos acima do país

O rendimento bruto deduzido o IRS declarado pelos contribuintes do concelho da Batalha é de ...

“MemMakers permite tirar as artes culturais da estagnação”

Válter Cardoso, fundador da MemMakers, que tem sede na Batalha, explica os objetivos da empr...