Exploração de petróleo preocupa concelho

A Câmara da Batalha está preocupada com os eventuais impactos negativos dos trabalhos prévios de avaliação da viabilidade económica de jazidas de petróleo no concelho e, com o objetivo de obter informação e esclarecer a população, solicitou a colaboração da Oikos – Associação de Defesa do Ambiente e do Património da Região de Leiria.

Na sequência da primeira avaliação da Oikos, a autarquia considera que “fica clara a rejeição liminar do recurso à técnica de fraturação hidráulica”, já que colocaria “os aquíferos que abastecem o município em questão, em gravíssimo risco de contaminação por hidrocarbonetos e metais pesados”.

A avaliação da Oikos, que o município subscreve, adianta que a atividade extrativa de hidrocarbonetos pode ainda “revelar-se danosa para o património arqueológico concelhio - vestígios de fixação paleolítica, neolítica, da idade do bronze, idade do ferro e presença romana – obrigando à realização de exaustivos estudos prévios ao início dos trabalhos de pesquisa e exploração”.

Por outro lado, adianta a autarquia, “todas as atividades a desenvolver, deverão estar em total concordância com os instrumentos de ordenamento do território de âmbito nacional, regional e municipal em vigor no Concelho da Batalha, nunca perdendo de vista ser necessário assegurar a garantia da qualidade de vida das populações, para o que se torna evidente a assegurar cumulativamente a qualidade ambiental do concelho/população da Batalha”.

“Estes estudos deverão contemplar os impactos cumulados com outras atividades, suscetíveis de causar danos sobre o património, merecendo particular destaque as que ocorram no conjunto do maciço calcário estremenho e Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, bem como nas principais linhas de água da bacia Hidrográfica do rio Lis”, refere o parecer da Oikos, “adotado” pela Câmara da Batalha.

Os contratos de concessão das áreas denominadas "Batalha" e "Pombal" foram assinados em 30 de novembro de 2015, entre o estado português e a concessionária Australis Oil & Gas Portugal. Está em curso um conjunto de estudos geológicos e de avaliação de impacte ambiental.


NESTA SECÇÃO

Batalha junta acionistas ibéricos da SUMA em festa

A empresa SUMA, que faz a recolha dos resíduos sólidos urbanos no concelho, reuniu duas cent...

Orçamento cresce 2,2 milhões e mantém impostos

As “Grandes opções do plano 2020-2023” da Câmara da Batalha, divulgadas no final de outubro,...

Juros pagos pela câmara equivalem a 0,50 euros/habitante

O Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2018 coloca a Câmara da Batalha no 11º lugar...