Carlos Ferreira

Editorial

Exagerada a notícia do fim dos jornais

Esta edição assinala o 27º ano de publicação do Jornal da Batalha. É o tempo que coincide com as maiores descobertas da humanidade na área das comunicações, com um impacto extraordinário na Comunicação Social e, mais em particular, na chamada Imprensa escrita.

Hoje, imaginar o jornalismo sem a Internet ou telemóvel é um exercício quase impossível para os jovens com a mesma idade do Jornal da Batalha. A maioria pesquisará online para descobrir o significado de telex ou telefax – apenas para apresentar exemplos mais óbvios.

Não vivemos o tempo em que tudo mudou. Vivemos o tempo em que tudo está a mudar. E muda a cada instante. E é a este ritmo que os jornais em papel não respondem. Porque os novos leitores nasceram num tempo em que o suporte papel para consumo imediato é um produto arcaico.

Ora, neste contexto, o Jornal da Batalha, tem a sua morte anunciada? É, notoriaramente, uma notícia exagerada. Porque estamos a trabalhar para responder a este novo desafio.

A partir deste mês, o Jornal da Batalha está também online (www.jornaldabatalha.pt), onde disponibiiza gratuitamente todos os conteúdos aos assinantes da edição em papel. Os restantes Leitores terão acesso gratuito a apenas algumas notícias.

Nos tempos próximos manteremos as duas edições, em papel e digital. No futuro, responderemos de acordo com as nossas capacidades e a vontade de Leitores e Anunciantes – os dois principais pilares do nosso trabalho e aos quais aproveitamos para agradecer a companhia ao longo destes 27 anos. E também a todos os nossos Colaboradores, sem os quais este projeto era impossível de concretizar.


NESTA SECÇÃO

Almada Negreiros e os Painéis

Entre Maio e Agosto de 1960 o “Diário de Notícias” publicou uma série de artigos do Jornalis...

Regras do apoio extraordinário à retoma progressiva da atividade

  Foi criado pelo Decreto Lei (DL), n.º 46-A/2020, alterado pelo DL n.º 90/2020, de 19/10...

Infante D. Henrique, o Navegador

A 4 de março de 1394, nasceu, no Porto, o Infante prodígio da Ínclita Geração: D. Henrique, ...