“Etnografia – Alta Estremadura 1” de Adélio Amaro

Portugal não é um país divisível em razão daqueles factores de ordem histórica, étnica, linguística ou geográfica, que possam justificar a criação, que no nosso caso seria uma mera imposição política, de regiões administrativas autónomas.

A História é comum a todos os 89 mil quilómetros quadrados do território continental desde 1249, há quase oitocentos anos, a Etnia é a mesma de norte a sul, fala-se a mesma língua com a pequeníssima excepção do mirandês que é, no fundo, um dialecto português, e o território é o mesmo e contínuo, com a mesma fronteira mantida há séculos, a mais antiga fronteira europeia, com a Espanha, apenas alterada num pequeno ponto, Olivença, quando o país vizinho ocupou a velha cidade portuguesa. E a Religião também durante séculos foi a mesma.

Mas há diferenças de ordem etnográfica que se traduzem em músicas, cantares, danças, alguns instrumentos, trajos que se usaram ainda nos primeiros decénios do século XX, e nalguns costumes que de forma alguma caracterizam etnias diferentes mas apenas a diversidade criativa dum mesmo povo que isolamentos medievais propiciaram.

As manifestações etnográficas da nossa província natal, a Estremadura, e nomeadamente da região do seu norte, a Alta Estremadura, facultam-nos numerosos exemplos dessas distinções que, presentemente, os seus grupos folclóricos tentam preservar e revelar e a que vários etnógrafos de comprovados méritos como o Dr. José Alberto Sardinha e os saudosos Professor José Ribeiro de Sousa e António Aires Costa Bernardes (António Oleiro), dedicaram estudos alicerçados em aturadas recolhas.

A enriquecer a bibliografia etnográfica (e histórica) alto-estremenha, foi editada há pouco pelo Dr. Adélio Amaro uma obra sobre as singularidades da região que vai sensivelmente do paralelo 40, um pouco a norte de Pombal, até aos concelhos do Bombarral e de Peniche, e de Ourém até ao Mar, servindo-se o autor das informações fidedignas que foram deixadas por estudiosos como Alberto Pimentel (1849-1925), poeta, jornalista, historiador, etnógrafo, que publicou dois livros preciosos sobre a Estremadura, sendo curioso referir que se tratava dum natural do Porto, o primeiro dedicado ao Ribatejo, que então era terra estremenha, o que é preciso anotar, e o segundo à Estremadura propriamente dita, aquela Estremadura que foi despedaçada em 1936 por um decreto do Terreiro do Paço, além das de outros investigadores, entre eles o notável historiador e etnógrafo Professor Doutor José Leite de Vasconcelos.

Nas páginas dum jornal é-me impossível transcrever tudo aquilo que poderá cativar o leitor e levá-lo a conhecer o livro agora publicado, mas não deixo de apontar duas ou três das informações históricas que se referem particularmente à Batalha: “O ofício de canteiro é em Portugal aptidão expontânea e notabilíssima, como ainda se reconhece nos operários que modernamente (isto em 1908), têm procedido às restaurações da Batalha, tais como bem ou mal lhas impuseram, e que nas horas vagas fazem graciosos “bibelots” de pedra para vender aos visitantes”.

“Celebram-se anualmente na igreja do mosteiro as cerimónias da Semana Santa e as festas do Sacramento, da Senhora do Rosário, do Coração de Jesus e da Santíssima Trindade, figurando nesta última três pagens (suponho que Pimentel se referia ao Imperador e aos seus dois acompanhantes), e havendo fogo preso e arraial com descantes populares”.

E ainda outra, no aro administrativo da Batalha mas sobre o Reguengo do Fetal: “No Outono celebra-se aqui a festa de Nossa Senhora, vulgarmente chamada do Fetal, e à noite iluminam-se todas as portas e janelas da aldeia por um processo interessante. São cascas de caracóis cheias de azeite e munidas de pavios minúsculos, mas o efeito é pinturesco pela multidão de estrelinhas que poisam sobre as casas brilhando…”.

Sobre a nossa vizinha Porto de Mós, entre outras notícias daquele princípio do século XX, recolho esta: “O concelho apresenta dois aspectos distintos: ameno nos arredores da vila, posto que vagamente melancólico e áspero nas freguesias da serra, cujos habitantes são bisonhos mas notáveis pela sua honradez. Os trajos das mulheres ressentem-se do aspecto montanhoso da região em que vivem. Não são pinturescos nem garridos. Em Leiria principia a aparecer nas saias uma barra encarnada e daí para cima, avançando sobre o norte, o vestido feminino começa a tingir-se de cores vivas, que são reflexo de uma paisagem mais luminosa e ridente”.

É um sem acabar de informações, com os respectivos e lúcidos comentários do Dr. Adélio Amaro, que este livro nos proporciona.

O Dr. Adélio Amaro é um jovem intelectual nascido em Leiria mas com as raízes paternas fincadas na paradisíaca Ilha de São Miguel, nos Açores, que tem vindo a publicar diversos estudos sobre a nossa região e também sobre os Açores. Director executivo de diversos jornais, a maior parte editada no estrangeiro e dedicada às comunidades portuguesas por lá fixadas, foi responsável pela notável editora leiriense “Folheto” que deu expressão a inúmeros autores da Alta Estremadura. Publicou também poesia sua e dedicou-se, igualmente, às artes plásticas. Presentemente é o presidente do Centro do Património da Estremadura (CEPAE) e da Associação Folclórica da Região de Leiria/Alta Estremadura, onde vem desenvolvendo uma actividade notável pela quantidade e pela qualidade das iniciativas. Impulsionada por si tem sido editada uma série de volumes com poesia de autores da lusofonia espalhados pelo Brasil e Estados Unidos, pela Europa e pela África. Muito mais haveria a dizer sobre a sua acção e muito mais há a esperar do seu dinamismo, da sua cultura e da sua inteligência. É um homem ao serviço generoso de inúmeras causas nobres, aliás o que tem sido reconhecido por diversas entidades regionais, nacionais e estrangeiras.

Esta edição de “Etnografia – Alta Estremadura 1”, como aquele algarismo indica, será a primeira duma série dedicada ao tema.

A capa do livro, esplêndida, reproduz um notável quadro da grande pintora batalhense Irene Gomes.

Todo o livro é ilustrado com gravuras e fotografias daqueles primeiros anos do século XX e também de épocas antecedentes.

José Travaços Santos

Apontamentos sobre a História da Batalha (193)

 

Divisão a divisão, a Casa da Cultura do Rosas do Lena

No primeiro andar do imóvel, que como já se disse é uma feliz adaptação do velho palheiro que ali existia, com entrada pela sala destinada às reuniões e também à escola de concertinas e harmónios, tem-se acesso ao gabinete da direcção do agrupamento e a uma pequena divisão onde se guardam os trajos de reserva, tudo bem acondicionado e preservado e sempre pronto a ser usado pelos elementos que vão entrando no Roas do Lena.

Nas paredes de todo o primeiro andar há inúmeros diplomas das actuações no nosso País e no estrangeiro e expostas as lembranças com que foi obsequiado ao longo de 56 anos de existência e de actividade permanente.

Vem a propósito da sua actividade lembrar que em 19 de Maio o agrupamento promove a “Tarde na Ponte da Boitaca” que decorrerá das 15h00 às 18h00, que em 14 de Julho, na praça de D. João I e no largo do Condestável, realiza mais um “Festibatalha”, com venda de artesanato, música popular, Festival Nacional de Folclore, Marchas e bailarico, tudo entre as 15h00 e as 24h00, e que em 10 de Agosto, no largo do Condestável, realiza-se mais uma Gala Internacional de Folclore da Batalha a partir das 21h30. Toda esta sua actividade tem o apoio e patrocínio da Câmara Municipal da Batalha. J.T.S.


NESTA SECÇÃO

Destino de alguns valores do Mosteiro de Santa Maria da Vitória

Universalidade de Portugal Não sei se Portugal pode cumprir outra missão, servir ou...

Exposição liga Batalha aos principados romenos

Está patente no mosteiro uma exposição intitulada “Os principados romenos no tempo da constr...

Infante D. Henrique, Imperador de novos mares e de novos céus

Infante D. Henrique   “Talant de bien faire”   Tive a vocação do bem.   ...