Escultor da Batalha autor de leão de 15 toneladas

No dia em que comemorou 114 anos, o Sporting inaugurou uma nova estátua de 15 toneladas, oferecida pela Filstone, da autoria do escultor Cláudio Monteiro, natural da Batalha.

O leão em pedra natural foi inaugurado no dia 1 de julho, junto ao Estádio José de Alvalade, em Lisboa, no decorrer da cerimónia de aniversário clube. A estátua foi esculpida a partir de um bloco de rocha calcária com 60 toneladas.

O dia ficou também marcado pela entrega simbólica de um brasão histórico do clube ao administrador da Filstone, Ricardo Jorge. A peça, que faz parte do espólio do Museu do Sporting, foi encontrada nas escavações da “bancada nova” do antigo Estádio José Alvalade, em 1983, e está agora apadrinhada pela Filstone.

“Este é um dia muito emotivo para mim, estavam aqui guardadas algumas surpresas para a Filstone. Estou muito sensibilizado com estas surpresas todas. Espero que esta obra venha dar sorte ao Sporting e, de alguma maneira, ajude o clube ao trazer-nos mais vitórias”, referiu Ricardo Jorge.

Além da escultura, que figura agora na Praça Centenário, a Filstone ofereceu ao Sporting uma outra estátua em pedra exposta na Academia de Alcochete.

“Este é o dia em que todos os sportinguistas estão de parabéns, estamos a festejar 114 anos de história, glória e muito amor por este clube. Esta obra merecia uma cerimónia aberta aos sócios mas, devido às circunstâncias que vivemos, não foi possível”, afirmou Frederico Varandas, presidente do clube leonino. “Conseguimos, juntamente com a Filstone, tanto para o estádio como para a academia, dois belos Leões, com força, jovens, com ambição, vitalidade e coragem. Esta é uma obra que os Sportinguistas merecem e que esta Praça merece”, acrescentou.

O autor da peça, Cláudio Monteiro, é escultor há quase 25 anos e colaborador da Filstone. “Esta peça é uma homenagem a todos os que participaram na história do Sporting” e é dedicada ao “mais notável adepto e ao anónimo”, explica o escultor, natural de Alcanadas, Batalha.

Para Cláudio Monteiro, a escultura é uma peça “carregada de simbolismo” já que o leão representa “o poder, a força, a autoridade, o triunfo e a proteção”. Já a postura do leão reflete “uma situação de não retorno”, refere.


NESTA SECÇÃO

Acabar com pontos negros custa 50 mil euros na primeira fase

A Câmara da Batalha lançou em outubro um plano de segurança rodoviária para definir quais sã...

Covid-19: Concelho esteve quatro dias em recolher obrigatório noturno

O Concelho da Batalha esteve quatro dias em recolher obrigatório noturno – e escapou à tange...

Aprovados concursos públicos para pavilhão e ciclovia

A câmara municipal aprovou em outubro a abertura de concursos públicos relativos aos projeto...