Joana Magalhães

Pestanas que falam

Em branco

Este mês deixo o meu espaço em branco. Este mês não tenho uma história para contar. Este mês não é o meu mês. Este é o vosso mês. É o mês de todos aqueles que, ao contrário de mim, não são eu.

Num mundo em que cada um se foca na sua vida, no seu dia a dia, nas suas rotinas, nos seus problemas, nos seus dramas... Este mês o foco não serei eu nem as minhas peripécias.

Este mês convido-vos a pensar no outro. No emprego que o outro não conseguiu, na noite de sono que o outro não teve, no dinheiro que o outro não pode gastar, no tempo que o outro não tem.

Porque sem o outro, não há um nós. Porque nunca gostaríamos tanto de ter sucesso, de ser bons, se não houvesse um outro para nos apreciar.

A história de que querermos ser melhores por nós próprios não é bem assim. Queremos ser melhores, sim, mas queremos mais ainda mostrar que somos melhores.

Da mesma forma que os lugares nada são se não tiverem pessoas, nós também nada somos sem os outros. Sem as pessoas que lá estão, todos os dias, a reclamar connosco, a atazanar-nos o juízo, a fazer-nos rir e a preocupar-se. Nada somos.

Por isso, este mês não vou partilhar nada da minha vida nestas linhas de jornal onde normalmente vos mostro quem sou. Não, este mês, estas linhas são dos outros, que cada um de vocês escolhe para ter por perto todos os dias.

Este mês não percam tempo a ler a minha história, perguntem aos outros qual é a história deles.


NESTA SECÇÃO

“A Quaresma do deserto não é negação da autoestima”

(…) A nossa Quaresma recorda, não apenas a história de Israel, mas também a história pessoal...

Nª Srª das Candeias e a tradição dos fritos na Freguesia de São Mamede

Diz a tradição popular portuguesa que a 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, s...

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...