José Travaços Santos


Dois versos: "Condição" e "Quarentena"

Não sei como será a edição de Abril do Jornal da Batalha. Com certeza que, como muito do que respeita a nossa vida, sofrerá alterações. Espero e desejo que seja uma situação temporária e muito pouco durável e que a Humanidade possa tirar ilacções desta calamidade que vem provar que, não obstante todos os avanços e conquistas da Ciência, a nossa condição é e continuará a ser frágil. Quem é crente, como eu, acredita que tudo tem uma razão de ser e que são situações como esta que nos fazem parar, pensar e rever a nossa vida pessoal e a nossa vida colectiva, as relações com os nossos concidadãos, começando pelos nossos vizinhos, e com os outros povos. A todos devemos solidariedade e ajuda. Com estima, dedico estes versos aos leitores:  

Condição

 

Não houve sinais no céu

nem profeta a prevê-la.

Como nos tempos antigos,

a peste vestida de negro,

de negro, de negro da morte,

veio avisar as nações,

a todas sem excepção,

como nos tempos antigos,

que é tão frágil a condição,

a condição de ser humano,

que basta um nada invisível

para a dominar e perdê-la.

Ao contrário dos tempos antigos

não houve sinais no céu

nem profeta a prevê-la.

 

Quarentena

 

Amedrontado e fechado

em prisão domiciliária

à espera que o mundo acabe

ou recomece.

Com a vida encarcerada

nada mais me apetece

do que uma ordem de despejo

nua e crua

e uma licença camarária

para apanhar em pelote

banhos de sol na rua.

 

José Travaços Santos


NESTA SECÇÃO

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...

Fumeiro e legumes cozidos qual é o resultado?

Com este tempo de chuva e cinzento só apetece comida quente de tacho como o cozido à portugu...

“A Quaresma do deserto não é negação da autoestima”

(…) A nossa Quaresma recorda, não apenas a história de Israel, mas também a história pessoal...