José Travaços Santos

Baú da Memória

Dois bons presentes para os 900 anos de Portugal

Um povo sem orgulho da sua História é um aglomerado informe de gente desmotivada do trabalho por uma causa comum, como o da Pátria, sobrepondo-lhe os seus interesses individuais ou os dum grupo que lhos poderá satisfazer ou, pelo menos e o que é a realidade, criar-lhe a ilusão do que o fará.

Denegrir-lhe a memória histórica é hábil ardil de quem o quer dominar, o que se percebe facilmente: que povo se empenhará na tarefa colectiva de engrandecer o seu país se tiver a consciência pesada pelos actos condenáveis, ainda por cima empolados, dos seus antepassados? Que povo não se deixará dominar facilmente se se sentir diminuído e envergonhado por memórias infamantes?

Estamos a assistir à montagem de cenários inquietantes, no que diz respeito aos nossos Descobrimentos, desvirtuada já a intenção que presidia ou deveria presidir à criação de um grande museu que teria de ser de averiguação, de estudo e de tentativa de explicação do espantoso fenómeno de como um pequeno povo, então como agora dos mais pequenos da Europa, ainda a sair da Idade Média, consegue, antes de qualquer outro país europeu, tudo obra do seu génio e da sua criatividade, do seu esforço e da sua coragem, descobrir novos mares, novas terras, novos ventos e novas estrelas, adaptar, senão inventar, os navios que deviam sulcar o desconhecido, dar a conhecer meio mundo à outra sua ignorada metade e assim inaugurar, antes de mais ninguém, a Idade Moderna.

Sob o impulso dos nossos antepassados, tudo se desenvolveu: a navegação, a astronomia, a meteorologia, a construção naval, a cartografia, a geografia…

E o que está tragicamente a suceder com os Descobrimentos acontece com a Língua Portuguesa, desprezada pelos governos, pelas universidades e pelas academias, eivada de termos ingleses, que longe de a enriquecerem a empobrecem pela eliminação constante e crescente dos termos portugueses, tudo agravado por um equívoco acordo (?) ortográfico.

Recordo que no Brasil há dois museus da Língua Portuguesa e que em Portugal não há nenhum.

Seriam estes dois museus que constituiriam os presentes mais significativos para um país a completar novecentos anos de existência.


NESTA SECÇÃO

“A Quaresma do deserto não é negação da autoestima”

(…) A nossa Quaresma recorda, não apenas a história de Israel, mas também a história pessoal...

Nª Srª das Candeias e a tradição dos fritos na Freguesia de São Mamede

Diz a tradição popular portuguesa que a 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias, s...

Duarte Costa, um mestre da guitarra quase esquecido

Acontece que no domínio das artes, seja na literatura, na pintura, na escultura ou na música...